jusbrasil.com.br
8 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Paraná
há 2 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

16ª Câmara Cível

Publicação

Julgamento

Relator

Desembargadora Maria Mércis Gomes Aniceto
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ
16ª CÂMARA CÍVEL - PROJUDI
RUA MAUÁ, 920 - ALTO DA GLORIA - Curitiba/PR - CEP: 80.030-901
Autos nº. XXXXX-63.2010.8.16.0001

Apelação Cível nº XXXXX-63.2010.8.16.0001
7ª Vara Cível de Curitiba
Apelante (s): WHB COMPONENTES AUTOMOTIVOS S.A.
Apelado (s): FERSART - FERRAMENTAS SARTORI INDUSTRIA E COMERCIO LTDA
Relator: Desembargadora Maria Mercis Gomes Aniceto

APELAÇÃO CÍVEL – AÇÃO INIBITÓRIA COM PEDIDO DE
TUTELA ANTECIPADA – SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA –
DUPLICATAS ACOMPANHADAS DE NOTAS FISCAIS COM
ASSINATURA DE RECEBIMENTO – PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
COMPROVADA – SENTENÇA MANTIDA – FIXAÇÃO
SUCUMBENCIAL JÁ DETERMINADA EM AUTOS APENSOS –
RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL CONHECIDO E PARCIALMENTE
PROVIDO.
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº XXXXX-63.2010.8.16.0001, da 7ª Vara
Cível do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba, em que é WHBApelante
Componentes Automotivos S/A. e Fersart – Ferramentas Sartori Indústria e Comércio Ltda.Apelada

1. RELATÓRIO
Trata-se de recurso de apelação cível interposto em face da sentença () proferida em autos de mov. 76.1
nº XXXXX-63.2010.8.16.0001, que Ação Inibitória com Pedido de Tutela Antecipada julgou
os pedidos iniciais, extinguindo o feito, com resolução de mérito, nos termos do artigoimprocedentes
487, inc. I, do CPC/2015.
Condenando a parte autora ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios, que fixou em
10% (dez por cento) sobre o valor atualizado da causa, nos termos do artigo 85, § 2º, do CPC.
Opostos embargos de declaração () por WHB Componentes Automotivos S/A., que forammov. 81.1
recebidos e rejeitados pela decisão proferida no .mov. 93.1
Inconformado, WHB Componentes Automotivos interpôs recurso de apelação () aduzindo amov. 100.1
necessidade de reforma da sentença para que seja reconhecida a inexigibilidade dos títulos em questão,
com o reconhecimento dos danos ocasionados pela parte apelada.
Esclarece que se trata de empresa no ramo de usinagem de peças utilizadas por montadoras, necessitando
de ferramentas para acoplar a seus equipamentos industriais a fim de promover suas atividades.
Assevera que se utilizou dos serviços de afiação e consertos de ferramentas da parte apelada, Fersart, para
a manutenção da atividade de usinagem.
Informa que o “ ” da negociação se dava da seguinte forma, que encaminhava asmodus operandi
ferramentas para a conservação, com nota fiscal de saída e, depois de efetuado o serviço, a parte apelada
entregava os instrumentos prontos, bem como, os boletos para pagamento, junto da nota fiscal de retorno.
Acrescenta que em dezembro de 2008 foi surpreendida com o protesto de duplicatas e com a retenção
indevida de ferramentas, no valor de aproximadamente R$ 214.000,00 (duzentos e quatorze mil reais),
que são imprescindíveis à atividade da empresa.
Diante disto, acrescenta que encaminhou notificação extrajudicial solicitando a devolução imediata das
ferramentas e, ainda, juntou notas de prejuízos sofridos, no valor total de R$ 269.959,21 (duzentos e
sessenta e nove mil, novecentos e cinquenta e nove reais e vinte e um centavos), com a retenção das
peças, contudo, restou sem resposta.
Esclarece que a apelada pretendia que houvesse a venda de novas peças, contudo, não tinha interesse
nessa transação, mas tão somente na prestação de reparos e, assim, a parte recorrida afirma que houve a
recusa do recebimento das novas peças e, por isso, reteve as ferramentas em seu poder com medo não
receber o pagamento.
Alega que, de fato, houve a recursa no recebimento das peças, pois sequer efetuou pedido nesse sentido e
que a parte apelada tentou se livrar da condição financeira ruim formulando transações inexistentes.
Deseja a indenização por danos ocasionados pela cobrança indevida e retenção das ferramentas e,
alternativamente, requer o julgamento parcialmente procedente para que seja determinada a compensação
dos valores constantes nas notas fiscais com os títulos declarados exigíveis, com a necessária
redistribuição do ônus de sucumbência.
Em contrarrazões () a apelada Fersart – Ferramentas Sartori Indústria e Comércio Ltda., refutamov. 104.1
os argumentos recursais, pugnando pelo desprovimento do apelo.
É o relatório.

2. VOTO
Presentes os pressupostos processuais de admissibilidade intrínsecos e extrínsecos, o recurso merece ser
conhecido.
Inicialmente, esclareço que o presente feito nº XXXXX-63.2010.8.16.0001 (48556/2010) foi instruído
conjuntamente com os autos de nº (48.555/2010) e, ainda que no mesmoXXXXX-78.2010.8.16.0001
sentido, houve a prolação de duas sentenças.
Anoto, ainda, que WHB Componentes Automotivos ajuizou a Ação Declaratória de Inexigibilidade de
nº 48.555/2010 em face de Ferramentas Sartori Indústria e ComércioDébito c/c Pedido de Indenização
Ltda. sustentando, em síntese, que foi surpreendida com o protesto de duplicatas emitidas pela Ré,
efetuando a cobrança dos títulos, no valor total de R$ 98.453,37 (noventa e oito mil, quatrocentos e
cinquenta e três reais e trinta e sete centavos).
E que, em apenso, tramita a ação declaratória de nº com o mesmo tema –XXXXX-39.2009.8.16.0001
cobrança de duplicatas, no entanto, no valor de aproximadamente R$ 12.000,00, a qual foi, inclusive,
instruída conjuntamente com a presente demanda, tendo sido prolatada sentença no mesmo sentido.
Da exigibilidade dos títulos
WHB Componentes Automotivos Ltda. aduz que a sentença deve ser reformada para que se reconheça a
inexigibilidade dos títulos, com o reconhecimento dos danos ocasionados pela parte apelada, já que teve a
sua linha de produção paralisada.
Alega que as duplicatas levadas a protesto não podem ser exigidas, uma vez que não representam a
realidade vivida entre as partes, isto é, não possuem origem financeira.
Entende que o magistrado deixou de observar as provas documentais, tal como o termo de recusa dea quo
recebimento de peças por entrega não programada e os depoimentos testemunhais, no sentido de que a
Fersart pressionava para que ocorresse a compra de novas peças sob pena de não entregar as ferramentas.
Pois bem.
Da análise do feito, verifico que em dezembro de 2008, a empresa apelada Fersart efetuou cobrança em
desfavor de WHB por meio de diversas duplicatas, as quais foram levadas a protesto, no valor total de R$
178.436,21, todas embasadas por notas fiscais com assinatura de recebimento do produto/serviço por
WHB.
Todavia, a parte apelante entende que as duplicatas são, ainda assim, inexigíveis, uma vez que a Fersart
teria de uma hora para outra descumprido o trato verbal, passando a cobrar antes de devolver os serviços,
tudo em represália a uma venda de novas peças, que teria sido recusada.
Note-se que o que importa para este julgamento é se os títulos cobrados são, de fato, exigíveis, devendo
restarem de lado questões acessórias.
Das provas documentais constantes dos autos, vislumbram-se os protestos e os comprovantes de saída das
ferramentas para conserto, com o devido recebimento pela Fersart e, de outro lado, estão as notas fiscais
de prestação de serviços por Fersart, com a devida assinatura de recebimento por WHB ().mov. 1.6 a 1.10
Assim, restou comprovado que a empresa autora recebeu a mercadoria consertada, isto é, com o serviço
devidamente prestado, com a nota fiscal de devolução assinada, o que indica, sem sombra de dúvida, o
efetivo recebimento fiscal das peças pela WHB.
Por outro lado, não há qualquer documento nos autos que demonstre que os referidos serviços não foram
de fato prestados ou que já teriam sido quitados.
Portanto, as duplicatas indicadas são exigíveis ante a comprovação de recebimento das ferramentas com
nota fiscal de devolução devidamente assinada, o que demonstra a origem das duplicatas protestadas.
Demais questões, como chantagens, pressões de compra ou ainda eventual termo de recusa de
recebimento de peças novas por WHB pouco importam ao deslinde do feito, demonstrando tão somente
que as parceiras de longa data passaram a se desacertar, bastando à análise da exigibilidade dos títulos,
questão que de fato interessa, o mero cotejo dos documentos já analisados.
Logo, as duplicatas são exigíveis, não tendo a ora apelante logrado êxito em suas alegações, sobretudo
pois jamais negou a existência de relação comercial e os débitos oriundos, mas tão somente insistiu no
pleito de “compensação”.
Da compensação
Solicita a Apelante que, ao menos, seja permitida a compensação das duplicatas cobradas com a
mercadoria retida por Fersart, a qual consta de lista anexada aos autos.
Entende que mesmo se supondo devida a quantia que lhe é cobrada, a Fersart continua devedora em razão
do alto valor da mercadoria apreendida.
Pois bem.
Não há dúvida de que houve a retenção de peças por Fersart, a qual inclusive confessou o ato como
exercício regular de seu direito, de modo que, o que está em jogo é a possibilidade de compensação, tendo
em vista que a apelante seria credora pelos eventuais prejuízos causados.
Todavia, preliminarmente, entendeu-se que a Apelante sequer é credora e sim devedora, sendo devidos,
portanto, os títulos e assim nem haveria como se falar em compensação.
De qualquer maneira, o direito de retenção é lícito e não gera nenhum direito à indenização, como
pretendido pela parte. A respeito, veja-se:
“DIREITO CIVIL. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÕES CÍVEIS EM AÇÃO
DE NOMINADA “RESOLUÇÃO DE CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA
E VENDA (COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA DE REINTEGRAÇÃO
DE POSSE DO IMÓVEL)”. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA. CONHECIMENTO –
ALEGAÇÕES DEAPELAÇÃO DA PARTE RÉ IRREGULARIDADES NO
LOTEAMENTO – FALTA DE INFRAESTRUTURA BÁSICA, SANEAMENTO E LOTE
AQUÉM DO MÍNIMO LEGAL – INOVAÇÃO RECURSAL – NÃO CONHECIMENTO
DO RECURSO, NESTE PONTO. DIREITO À RETENÇÃO ENQUANTO NÃO
INDENIZADO PELAS BENFEITORIAS – DIREITO RECONHECIDO NO
DISPOSITIVO DA SENTENÇA – FALTA DE INTERESSE RECURSAL – NÃO
CONHECIMENTO DO RECURSO, NESTE PONTO. MÉRITO. NULIDADE DA
SENTENÇA POR CERCEAMENTO DE DEFESA – INOCORRÊNCIA –PROVAS
ACOSTADAS AO PROCESSOS SUFICIENTES AO JULGAMENTO DO FEITO –
NATUREZA DA DEMANDA, ADEMAIS, QUE REVELA A PRESCINDIBILIDADE DA
DILAÇÃO PROBATÓRIA PRETENDIDA – NULIDADE REJEITADA. PRESCRIÇÃO–
CARÁTER PESSOAL DA RESCISÃO CONTRATUAL – PRAZO GERAL DE 10 ANOS
– PRAZO PRESCRICIONAL QUE NÃO FLUIU INTEGRALMENTE – TESE
DESACOLHIDA. ADIMPLEMENTO SUBSTANCIAL – DESCABIMENTO – PARTE
RÉ QUE ADIMPLIU APROXIMADAMENTE 14,5% DO AVENÇADO – PRETENSÃO
IMPROCEDENTE. REVISÃO CONTRATUAL NA AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº
1401/2002 E DESCARACTERIZAÇÃO DA MORA – DESCABIMENTO – O TÃO SÓ
AJUIZAMENTO DA REVISIONAL NÃO É CAPAZ DE CARACTERIZAR A MORA –
REQUERIDO QUE DEIXA DE DEMONSTRAR A PLAUSIBILIDADE DO DIREITO
ALEGADO NA REVISIONAL, TAMPOUCO QUE PAGOU OU DEPOSITOU EM
JUÍZO O QUE CONSIDERAVA DEVIDO – MORA QUE RESTA CONFIGURADA
ANTE INCONTROVERSO NÃO PAGAMENTO DAS PARCELAS MENSAIS PELO
CONSUMIDOR – RECURSO DESPROVIDO, NESTE PONTO. TERMO FINAL DA
INDENIZAÇÃO A TÍTULO DE ALUGUÉIS – DIREITO DE RETENÇÃO – APELO
PARCIALMENTE PROVIDO E REFORMA PARCIAL DA SENTENÇA NESTE
PONTO, PARA RESSALVAR NÃO SER DEVIDA TAL PARCELA CONDENATÓRIA
NO PERÍODO EM QUE A OCUPAÇÃO SE DER EM RAZÃO DO DIREITO DE
RETENÇÃO. REEMBOLSO DE VALORES RELATIVOS A IPTU, ÁGUA E LUZ –
DIREITO ASSEGURADO Á PARTE AUTORA, DESDE QUE DEVIDAMENTE
COMPROVADO O PAGAMENTO POR ELA PORVENTURA REALIZADO.
RECURSO PROVIDO EM PARTE. RECURSO DA PARTE AUTORA. TERMO
INICIAL DA INDENIZAÇÃO A TÍTULO DE ALUGUÉIS – SENTENÇA QUE
FIXOU-O A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO EM MORA – PRETENDIDA
ALTERAÇÃO, PARA QUE CORRESPONDA À DATA DE IMISSÃO DO
PROMITENTE COMPRADOR NA POSSE DO IMÓVEL – DESCABIMENTO –
CLÁUSULA PENAL COMPENSATÓRIA, PREVISTA NO CONTRATO, QUE SERVE
COMO MEIO DE PRÉ-FIXAÇÃO DA INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS, NO
PERÍODO ENTRE A IMISSÃO NA POSSE E O INADIMPLEMENTO – ALUGUEIS
DEVIDOS APENAS NO PERÍODO POSTERIOR, QUANDO A OCUPAÇÃO DO
BEM, COM A CONSTITUIÇÃO EM MORA, PASSA A CONFIGURAR ATO ILÍCITO,
PASSÍVEL DE REPARAÇÃO PRÓPRIA. APELO REJEITADO. SENTENÇA
REFORMADA EM PARTE. APELAÇÃO CÍVEL (1) CONHECIDO E NÃO PROVIDA.
APELAÇÃO CÍVEL (2) PARCIALMENTE CONHECIDA E, NA EXTENSÃO,
(TJPR - 6ª C.Cível - XXXXX-69.2012.8.16.0001 -PARCIALMENTE PROVIDA.
Curitiba - Rel.: Desembargador Renato Lopes de Paiva – Julgado em 14/02/2019)
Logo, deixo de acolher o pedido.

Da sucumbência

Aduz a Apelante que a determinação de pagamento de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação
em (6) seis demandas lhe seria demasiadamente oneroso, devendo ser condenada pelo conjunto das ações
em uma única vez.

De fato, entendo que as ações em jogo se referem todas ao mesmo tema, de forma que, em que pese
tramitem em apenso, foram prolatadas sentenças de forma separada.

Assim, para que não haja a citada excessividade na condenação, foi ordenada a fixação da sucumbência
de forma única nos autos nº (48.555/2010), razão pela qual deixo deXXXXX-78.2010.8.16.0001
arbitrá-la neste momento.
3. DISPOSITIVO
Por tais fundamentos, voto no sentido de conhecer e ao recurso de apelaçãodar parcial provimento
cível para o fim de determinar que a fixação da sucumbência ocorra de forma única nos autos nº
(48.555/2010).XXXXX-78.2010.8.16.0001
Ante o exposto, acordam os Desembargadores da 16ª Câmara Cível do
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ, por unanimidade de votos, em julgar CONHECIDO O
RECURSO DE PARTE E PROVIDO EM PARTE o recurso de WHB COMPONENTES
AUTOMOTIVOS S.A..
O julgamento foi presidido pelo (a) Desembargador Paulo Cezar Bellio,
sem voto, e dele participaram Desembargadora Maria Mercis Gomes Aniceto (relator), Desembargador
Luiz Antônio Barry e Juíza Subst. 2ºgrau Vânia Maria Da Silva Kramer.
24 de junho de 2020
Desembargadora Maria Mercis Gomes Aniceto
Juiz (a) relator (a)
Disponível em: https://tj-pr.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/923873727/processo-civel-e-do-trabalho-recursos-apelacao-apl-485566320108160001-pr-0048556-6320108160001-acordao/inteiro-teor-923873785

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO - Recursos - Apelação: APL XXXXX-78.2010.8.16.0001 PR XXXXX-78.2010.8.16.0001 (Acórdão)

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO - Recursos - Apelação: APL XXXXX-39.2009.8.16.0001 PR XXXXX-39.2009.8.16.0001 (Acórdão)

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp XXXXX PR 2020/XXXXX-7