jusbrasil.com.br
12 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO - Recursos - Apelação: APL XXXXX-61.2015.8.16.0070 PR XXXXX-61.2015.8.16.0070 (Acórdão)

Tribunal de Justiça do Paraná
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

11ª Câmara Cível

Publicação

Julgamento

Relator

Desembargador Fábio Haick Dalla Vecchia
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE SUPRIMENTO JUDICIAL. OUTORGA DE ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA VENDA DE IMÓVEL. VENDEDOR FALECIDO. RECUSA DO HERDEIRO. PRETENSÃO RESISTIDA. CONDENAÇÃO NA OBRIGAÇÃO DE ASSINAR A ESCRITURA DEFINITIVA. SENTENÇA EXTRA PETITA NÃO OCORRÊNCIA. PRESTAÇÃO DA TUTELA PRETENDIA PELO RESULTADO PRÁTICO EQUIVALENTE. INTELIGÊNCIA DO ART. 497 DO CPC. RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO.

1. Verifica-se a pretensão resistida do réu, a justificar a imposição do ônus da sucumbência, na hipótese em que vem a juízo contestar a demanda.
2. Demonstrada a contratação de compra e venda de imóvel, cumpre ao vendedor, que recebeu integralmente o preço, no caso o herdeiro do alienante falecido, outorgar aos compradores a escritura definitiva.
3. Postulado o suprimento judicial para a outorga de escritura pública, com fundamento no art. 461 do CPC/73, correspondente ao art. 497 do CPC/15, não se revela extra petita a sentença que, acolhendo o pedido, condena o réu à outorga requerida, na medida em que o estatuto processual civil permite a prestação da tutela pretendida pelo resultado prático equivalente, excepcionando, desta forma, a regra da congruência entre o pedido mediato e a sentença.
4. Recurso conhecido e não provido. (TJPR - 11ª C.Cível - XXXXX-61.2015.8.16.0070 - Cidade Gaúcha - Rel.: Desembargador Fábio Haick Dalla Vecchia - J. 20.07.2018)

Acórdão

Estado do Paraná APELAÇÃO CÍVEL XXXXX-61.2015.8.16.0070 DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE CIDADE GAÚCHA APELANTE: OVÍDIO GALBIATI DA SILVA JÚNIOR APELADOS: LUÍS HENRIQUE FREITAS E MARGARIDA MARTINS CASTILHO DE FREITAS RELATOR: DES. DALLA VECCHIA. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE SUPRIMENTO JUDICIAL. OUTORGA DE ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA VENDA DE IMÓVEL. VENDEDOR FALECIDO. RECUSA DO HERDEIRO. PRETENSÃO RESISTIDA. CONDENAÇÃO NA OBRIGAÇÃO DE ASSINAR A ESCRITURA DEFINITIVA. SENTENÇA EXTRA PETITA NÃO OCORRÊNCIA. PRESTAÇÃO DA TUTELA PRETENDIA PELO RESULTADO PRÁTICO EQUIVALENTE. INTELIGÊNCIA DO ART. 497 DO CPC. RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO. 1. Verifica-se a pretensão resistida do réu, a justificar a imposição do ônus da sucumbência, na hipótese em que vem a juízo contestar a demanda. 2. Demonstrada a contratação de compra e venda de imóvel, cumpre ao vendedor, que recebeu integralmente o preço, no caso o herdeiro do alienante falecido, outorgar aos compradores a escritura definitiva. 3. Postulado o suprimento judicial para a outorga de escritura pública, com fundamento no art. 461 do CPC/73, correspondente ao art. 497 do CPC/15, não se revela extra petita a sentença que, acolhendo o pedido, condena o réu à outorga requerida, na medida em que o estatuto processual civil permite a prestação da tutela pretendida pelo resultado prático equivalente, excepcionando, desta forma, a regra da congruência entre o pedido mediato e a sentença. 4. Recurso conhecido e não provido. Estado do Paraná Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível XXXXX-61.2015.8.16.0070 da Vara Cível da Comarca de Cidade gaúcha, em que é apelante Ovídio Galbiati da Silva Júnior apelados Luís Henrique Freitas e Margarida Martins Castilho de Freitas. RELATÓRIO Trata-se de apelação cível interposta por Ovídio Galbiati da Silva Júnior, em face da sentença de mov. 71.1, que julgou procedente o pedido formulado pelos apelados em ação de suprimento judicial para outorga de escritura pública de compra e venda, condenando o réu a proceder a aludida outorga no prazo de 10 dias, sob pena de multa diária, impondo-lhe ainda o ônus da sucumbência, cuja verba honorária arbitrou em R$ 10% sobre o valor da causa. Nas razões de recurso, o réu alega em síntese: a) a inexistência de pretensão resistida e a consequente exclusão do ônus da sucumbência; b) a ilicitude da compra e venda contratada com o seu falecido pai e a impossibilidade da outorga da escritura pública, ante à alienação fiduciária do imóvel ao agente financeiro; c) a nulidade da sentença por decidir extra petita (mov. 78.1) Contrarrazões apresentadas (mov. 89.1). VOTO Conheço do recurso, ante a presença dos seus requisitos de admissibilidade recursal. Ao contrário do que questionam os recorridos, em contrarrazões, verifica-se a tempestividade do apelo, na medida em que ocorrida a leitura da intimação da sentença, pelo recorrente, em 26/1/2018 (mov. 75), o prazo recursal findou em 21/2/2018 e o recurso foi interposto um dia antes. De outra parte, cumpre assentar, em preliminar, que se verifica nos autos a pretensão resistida do réu, a justificar a imposição do ônus da sucumbência, na medida em que veio a juízo contestar a demanda, sustentando que “(...) o feito haveria de ser extinto sem resolução de mérito, vez que a Estado do Paraná pretensão inicial decorrente de negócio que tem objeto ilícito e sem prova da realização das condições para outorga de escritura de compra e venda de imóvel.” (mov. 35.1). No mérito, cuida-se de ação fundada no art. 461 do CPC/73, com correspondência no art. 497 do CPC/15, que trata do cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer. Restou incontroverso nos autos que, em outubro/2006, os autores firmaram uma compra e venda de imóvel com Ovídio Galbiati da Silva (pai do réu) e Joana Darc Vieira da Silva, pagando integralmente o preço e assumindo uma dívida perante a Caixa Econômica Federal, cujo débito está sendo por eles quitado mensalmente (mov. 1.7). Em julho/2008, antes que fosse outorgada a escritura pública definitiva aos autores, o alienante veio a falecer e, uma vez procurados os respectivos herdeiros, todos, à exceção do réu, concordaram na aludida outorga, o que ensejou o ajuizamento desta ação de suprimento judicial. O recorrente afirma a ilicitude da aludida venda, ante a existência de alienação fiduciária sobre o imóvel em favor do agente financeiro, olvidando, todavia, que a Lei 9.514/97, que dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário e institui a alienação fiduciária de coisa imóvel, permite expressamente, no seu art. 29, a transmissão dos direitos sobre o imóvel objeto da aludida garantia: “Art. 29. O fiduciante, com anuência expressa do fiduciário, poderá transmitir os direitos de que seja titular sobre o imóvel objeto da alienação fiduciária em garantia, assumindo o adquirente as respectivas obrigações.”. Importa, ainda, ressaltar, que mesmo na hipótese de ausência de anuência expressa do credor fiduciário o negócio jurídico é válido entre as partes contratantes, consoante pacífica jurisprudência deste TJPR: “APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO VERBAL DE COMPRA E VENDA. CONTRATO DE "GAVETA". IMÓVEL FINANCIADO PELOS RÉUS (PROMITENTES- VENDEDORES) JUNTO AO BANCO SANTANDER. AUTORA (PROMITENTE-COMPRADORA) QUE DEU UM VEÍCULO PELO VALOR DE R$25.000,00 A TÍTULO DE ENTRADA (SINAL) E ASSUMIU A OBRIGAÇÃO DE QUITAR AS PRESTAÇÕES VENCIDAS E VINCENDAS DO CONTRATO DE FINANCIAMENTO. (...) CONTRATO DE GAVETA. VALIDADE ENTRE OS CONTRATANTES. (...) "O chamado `contrato de gaveta', tão comum nas vendas de casas financiadas ou veículos grafados com alienação fiduciária tem sido admitido em nosso ordenamento jurídico sendo válido entre os contratantes e não produzindo qualquer eficácia jurídica em relação ao agente financiador que não deu anuência" (TJMT, RAC nº 53558/2011). (...)” (17ª C.Cível - AC XXXXX-9 - Rel.: Lauri Caetano da Silva - J. 07.02.2018); Estado do Paraná “APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS DE TERCEIRO. SENTENÇA QUE JULGOU PROCEDENTES OS EMBARGOS E DETERMINOU A EXCLUSÃO DO BLOQUEIO SOBRE O VEÍCULO. (...) CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE VEÍCULO ALIENADO FIDUCIARIAMENTE. NEGÓCIO JURÍDICO VÁLIDO ENTRE AS PARTES CONTRATANTES, INOPONÍVEL APENAS PERANTE A INSTITUIÇÃO FINANCEIRA MUTUANTE. (...)” (13.ª C. Cível - AC XXXXX – Rel.: Rosana Andriguetto de Carvalho – J. 05/04/2017). Registre-se, ademais, que os autores esclarecem nas contrarrazões “(...) que se faz necessária procedência da presente ação, para que se possa lavrar a competente escritura pública de compra e venda em virtude do falecimento do Sr. Ovídio Galbiati da Silva, eis que no momento que transitar em julgado o presente processo, os apelados terão que quitar o restante do débito junto a Caixa Econômica Federal para somente depois lavrar a competente escritura pública.” (mov. 89.1). Demonstrada, portanto, a contratação de compra e venda, cumpre ao vendedor, que recebeu integralmente o preço, no caso o herdeiro do alienante falecido, outorgar aos compradores a correspondente escritura definitiva. Por derradeiro, não há que se falar em sentença extra petita. Postulado o suprimento judicial para a outorga de escritura pública, com fundamento no art. 461 do CPC/73, correspondente ao art. 497 do CPC/15, não se constata julgamento fora do pedido quando a sentença, acolhendo a inicial, condena o réu à outorga requerida, na medida em que o estatuto processual civil permite a prestação da tutela pretendida pelo resultado prático equivalente, excepcionando, desta forma, a regra da absoluta congruência entre o pedido mediato e a sentença. Neste sentido são os escólios de Luiz Guilherme Marinoni, Sérgio Cruz Arenhart e Daniel Mitidiero, in “Códifo de Processo Civil Comentado”, São Paulo: Ed. RT, 2015, págs. 497 e 503: “A necessidade de dar maior poder ao juiz para a efetiva tutela dos direitos, espelhada na quebra da regra da tipicidade das formas de efetivação das decisões judiciais (arts. 536, § 1.º, e 538, § 3.º, CPC) e na concentração da atividade voltada ao cumprimento das decisões dentro do mesmo processo em que proferidas (art. 513, CPC), trouxe ainda a superação da ideia de absoluta congruência entre o pedido e a sentença (arts. 2.º, 128 e 460, CPC). (...) é possível ao juiz dar conteúdo diverso, por exemplo, ao fazer e ao não fazer solicitado, impondo-se outro fazer ou não fazer, desde que idôneo para conferir resultado prático equivalente àquele que seria obtido em caso de adimplemento da obrigação originária. (...) O art. 497, CPC, quando fala em tutela específica, deseja dar ao jurisdicionado a possibilidade de obter a tutela específica do direito material. (...) A tutela será tanto mais específica quanto mais se aproximar da proteção da Estado do Paraná integridade do direito material (...) Vale dizer: permite que a tutela do direito prestada para o autor seja diversa daquela demandada, desde que vise a proteção do mesmo bem da vida”. Esse é exatamente o caso dos autos, no qual o julgador singular assegurou aos autores o objetivo por eles almejado, que é a outorga definitiva do imóvel por eles adquirido. Conclusão Ante tais considerações, voto pelo conhecimento e não provimento do recurso, com a majoração dos honorários advocatícios, em grau de recurso, no percentual de 3%, totalizando 13% sobre o valor da causa, em atenção ao disposto no art. 85, §§ 2.º e 11 do CPC. É como voto. ACÓRDÃO ACORDAM os Excelentíssimos Senhores Magistrados integrantes da Décima Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, por unanimidade de votos, em conhecer e negar provimento ao recurso, bem como em majorar os honorários advocatícios, em grau de recurso, no percentual de 3%, totalizando 13% sobre o valor da causa, em atenção ao disposto no art. 85, §§ 2.º e 11 do CPC. O julgamento foi presidido pelo Excelentíssimo Senhor Desembargador Ruy Muggiati, sem voto, e dele participaram, acompanhando o voto do Excelentíssimo Senhor Relator, o Excelentíssimo Desembargador Mário Nini Azzolini e a Excelentíssima Juíza Substituta em Segundo Grau Luciane do Rocio Custódio Ludovico. Sala de Sessões da Décima Primeira Câmara Cível, Curitiba, 18 de julho de 2018. Des. Dalla Vecchia Relator
Disponível em: https://tj-pr.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/923278347/processo-civel-e-do-trabalho-recursos-apelacao-apl-10986120158160070-pr-0001098-6120158160070-acordao

Informações relacionadas

Odete A de Oliveira Maggi, Advogado
Modeloshá 2 anos

Ação de Adjudicação Compulsória com Pedido de Tutela de Urgência

Petição Inicial - TJSP - Ação para Suprimento Judicial de Escritura - Procedimento Comum Cível

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 5 meses

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC XXXXX-78.2017.8.26.0127 SP XXXXX-78.2017.8.26.0127

Petição Inicial - TJSP - Ação de Suprimento Judicial de Assinatura c/c Indenização por Danos Materiais e Pedido de Tutela Antecipada - Apelação Cível

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC XXXXX30145137001 MG