jusbrasil.com.br
5 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Paraná
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

1ª Câmara Criminal

Publicação

28/11/2018

Julgamento

23 de Novembro de 2018

Relator

Desembargador Clayton Camargo
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor


Íntegra do Acórdão
Ocultar Acórdão
Atenção: O texto abaixo representa a transcrição de Acórdão. Eventuais imagens serão suprimidas.

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ
1ª CÂMARA CRIMINAL - PROJUDI
R. Mauá, 920 - Alto da Glória - Curitiba/PR - CEP: 80.030-901

APELAÇÃO CRIME Nº 0084818-31.2014.8.16.0014, DO FORO
CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA
DE LONDRINA – JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E
FAMILIAR CONTRA A MULHER.
APELANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ.
APELADO: ANTÔNIO MARCELINO ALEXANDRE.
RELATOR: DES. CLAYTON CAMARGO.
APELAÇÃO CRIMINAL – VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – LESÃO
CORPORAL – SENTENÇA CONDENATÓRIA – CONDENAÇÃO À
PENA DE 03 (TRÊS) MESES DE DETENÇÃO, EM REGIME
ABERTO, COM SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA –
RECURSO DO MINISTÉRIO PÚBLICO – PRETENSÃO DE QUE A
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE FIXADA COMO
CONDIÇÃO DO SURSIS TENHA PRAZO DE 01 (UM) ANO –
SERVIÇOS COMUNITÁRIO QUE SE REVELA INVIÁVEL NO CASO
– PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE INFERIOR A 06 (SEIS)
MESES – INTELIGÊNCIA DO ARTIGO 46 DO CÓDIGO PENAL
AFASTAMENTO, EX OFFICIO, DA CONDIÇÃO – PLEITO DE
FIXAÇÃO DE INDENIZAÇÃO MÍNIMA À VÍTIMA À TÍTULO DE
DANOS MORAIS ( CP, ART. 387, IV, CPP)– ACOLHIMENTO –
PEDIDO FORMULADO PELO PARQUET EM ALEGAÇÕES FINAIS
– DESNECESSIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVA ESPECÍFICA –
DANO IN RE IPSA – ORIENTAÇÃO FIRMADA PELO STJ AO
JULGAR RECURSO ESPECIAL SUBMETIDO AO RITO DOS
REPETITIVOS – HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS AO DEFENSOR
DATIVO – ARBITRAMENTO EM RAZÃO DO TRABALHO
REALIZADO EM SEDE RECURSAL – APLICAÇÃO DA
RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 04/2017 DA PGE/SEFA – RECURSO
PROVIDO, COM AFASTAMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
À COMUNIDADE COMO CONDIÇÃO DO SURSIS DE OFÍCIO E
FIXAÇÃO DE VERBA HONORÁRIA AO DEFENSOR DATIVO DO
APELADO PELA ATUAÇÃO RECURSAL.
, relatados e discutidos estes autos de Apelação Crime nº VISTOS
0084818-31.2014.8.16.0014, do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de
Londrina – Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, em que é Apelante
e Apelado MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ ANTÔNIO MARCELINO
ALEXANDRE.

Trata-se de Apelação Criminal interposta pelo Ministério Público do1.
Paraná contra a sentença (mov. 75.1) que o Réu Antônio Marcelino Alexandre pelacondenou
prática do delito de ( CP, art. 129, § 9º), àlesão corporal no âmbito das relações domésticas
pena de 03 (três) meses de detenção, em regime inicial aberto, suspendendo a execução da
pena pelo prazo de 02 (dois) anos.

O fato foi assim descrito na denúncia (mov. 16.1):

“LESÃO CORPORAL
Em 11 de setembro de 2014, por volta das 18h40min, na residência do
casal à época, localizada na rua Giocondo Maturi, nº 1123, bloco 10,
apartamento 203, Jardim Vista Bela, neste município e Foro Central da
Comarca da Região Metropolitana de Londrina/Pr, o denunciado
ANTONIO MARCELINO ALEXANDRE, dolosamente, ciente da
ilicitude e reprovabilidade de sua conduta, valendo-se de violência de
gênero contra a vítima KAREN DAYANE FORTUNATO DE SOUZA,
com quem foi casado por 01 (quatro) mês, ofendeu sua integridade
física, na medida em que, nutrido pelo sentimento de posse em relação à
vítima, após acusa-la de traição e xingá-la de “biscate” e “vagabunda”,
desferiu-lhe um tapa no rosto, produzindo-lhe as seguintes lesões: “a)
equimose roxo violácea em toda região palpebral superior direita, com
edema de pequeno volume” – cfr. Laudo de Lesões Corporais n.
2589/2014 de f. 20 e fotografias de f. 21.
Dessa forma, ANTONIO MARCELINO ALEXANDRE cometeu
violência doméstica contra a vítima KAREN DAYANE FORTUNATO
DE SOUZA, em sua modalidade física, nos moldes do artigo 7º, inciso I,
da Lei nº 11.340/06”.

Em suas razões recursais (mov. 91.1), insurge-se o douto Agente
Ministerial quanto as condições impostas à suspensão condicional da pena, bem como pela
não fixação de valor mínimo para a reparação de danos causados pela infração, considerando
os prejuízos sofridos pela ofendida.

Aduz, em relação a condição alternativa de prestação de serviços à
comunidade aplicada no , que esta deve ter o prazo de 01 (um) ano, consoanteSursis
disposição do art. 78, § 1º, do Código Penal, e não pelo prazo da pena estipulada.

Quanto aos danos morais, afirma que a sentença, ao não fixar o valor
mínimo à título indenizatório, contrariou lei federal, qual seja, o art. 387, inciso IV, do Código
de Processo Penal, e a tese firmada pelo STJ no RESP nº 1.643.051.

O Apelado apresentou contrarrazões pelo não provimento do recurso,
postulando, na oportunidade, o arbitramento de honorários advocatícios pela manifestação em
segundo grau (mov. 102.1).

Nesta Instância, a douta Procuradoria Geral de Justiça emitiu parecer,
subscrito pela ilustre Procuradora ELZA KIMIE SANGALLI, recomendando o parcial
do recurso, para que seja afastado o instituto da suspensão condicional da pena,provimento
sendo favorável ao arbitramento dos honorários advocatícios ao Defensor Dativo (mov. 8.1 –
TJ).

É o relatório.

O recurso merece ser conhecido pois preenche os pressupostos2.
objetivos e subjetivos de admissibilidade.

Pede o Ministério Público do Paraná a reforma da sentença, ao argumento
de que a condição de prestação de serviços à comunidade, aplicada na suspensão condicional
da pena, deve ter o prazo de 01 (um) ano, consoante disposição do artigo 78, § 1º, do Código
Penal.

Depreende-se da sentença condenatória que a Magistrada concedeua quo
ao Réu o benefício da suspensão condicional da pena, pelo prazo de 02 (dois) anos, mediante
o cumprimento das seguintes condições:

“a) proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização
do juiz;
b) comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para
informar e justificar suas atividades;
c) prestação de serviços à comunidade, pelo prazo da pena estipulada, a
;entidade que será designada por ocasião de audiência admonitória
e) exercer trabalho lícito e honesto;
f) Comparecimento ao Projeto BASTA, conforme o disposto no artigo
152, parágrafo único da Lei da Execução Penal”.

Conforme dicção do artigo 79 do Código Penal, na hipótese do Sursis
simples, admite-se que o Julgador estabeleça outras condições às quais a suspensão
condicional da pena ficará subordinada, desde que adequadas ao caso concreto, além das
legalmente previstas, quais sejam, prestação de serviços à comunidade e limitação de final de
semana.

Com efeito, no caso em análise, percebe-se que a pena corporal cominada
ao Acusado foi estabelecida em , o que afasta a possibilidade de03 (três) meses de detenção
prestação de serviços comunitários, pois tal medida somente é aplicável às condenações
superiores a 06 (seis) meses, a teor do art. 46 do Código Penal, que dispõe:

“Art. 46. A prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas
é aplicável às condenações superiores a seis meses de privação de
liberdade”.

Sobre o tema, há precedente do colendo Superior Tribunal de Justiça:

PENAL. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO
PRÓPRIO. LESÃO CORPORAL. SURSIS SIMPLES. CONDIÇÃO
LEGAL OBRIGATÓRIA. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À
COMUNIDADE. PENA INFERIOR A 6 MESES. MEDIDA
. LIMITAÇÃO DE FINAL DE SEMANAINCABÍVEL
ESTABELECIDA. DEMAIS CONDIÇÕES MANTIDAS. ART. 79 DO
CP. WRIT NÃO CONHECIDO E ORDEM CONCEDIDA DE OFÍCIO.
1. Esta Corte e o Supremo Tribunal Federal pacificaram orientação no
sentido de que não cabe habeas corpus substitutivo do recurso
legalmente previsto para a hipótese, impondo-se o não conhecimento da
impetração, salvo quando constatada a existência de flagrante
ilegalidade no ato judicial impugnado.2. Conforme a dicção do art. 79
do CP, na hipótese do sursis simples, admite-se que o Julgador
estabeleça outras condições às quais a suspensão condicional da pena
ficará subordinada, desde que adequadas ao caso concreto, além das
legalmente previstas, quais sejam, prestação de serviços à comunidade e
limitação de final de semana. 3. No caso, a pena corporal foi
estabelecida em 3 meses de detenção, o que afasta a possibilidade de
prestação de serviços à comunidade, pois tal medida somente é aplicável
4.às condenações superiores a 6 meses, a teor do art. 46 do CP.
Malgrado não tenha ocorrido a aplicação cumulativa das condições
correspondentes ao sursis simples e ao sursis especial, deve ser
estabelecida como condição legal e obrigatória da benesse a limitação de
final de semana ( CP, art. 48), no primeiro ano do prazo, ficando
mantido o comparecimento mensal em juízo e a proibição de se ausentar
da comarca, por serem tais medidas adequadas ao fato concreto e à
situação do réu, conforme o autorizado pelo art. 79 do CP. 5. Writ não
conhecido. Habeas corpus concedido, de ofício, tão somente para
substituir a condição legal correspondente à prestação de serviços à
comunidade pela limitação de final de semana, ficando mantidas as
demais condições do sursis estabelecidas na sentença condenatória. (HC
440.286/RS, Rel. Ministro RIBEIRO DANTAS, QUINTA TURMA,
julgado em 12/06/2018, DJe 20/06/2018)

Esta colenda 1ª Câmara Criminal entende no mesmo sentido:

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. LESÃO CORPORAL (ART. 129, § 9.º,
CP). CONDENAÇÃO À PENA DE TRÊS (3) MESES E VINTE E
DOIS (22) DIAS DE DETENÇÃO, EM REGIME ABERTO, COM
SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA (ART. 77, CP). RECURSO
DE APELAÇÃO DA DEFESA. 1) ABSOLVIÇÃO POR
INEXISTÊNCIA DE PROVAS APTAS PARA A CONDENAÇÃO.
DESACOLHIMENTO. MATERIALIDADE E AUTORIA
DEVIDAMENTE COMPROVADAS. AUSÊNCIA DO LAUDO DE
LESÕES CORPORAIS SUPRIDA PELO PRONTUÁRIO MÉDICO.
PALAVRA DA VÍTIMA EM CONSONÂNCIA COM AS DEMAIS
PROVAS PRODUZIDAS NOS AUTOS. 2) DESCLASSIFICAÇÃO
PARA VIAS DE FATO. INVIABILIDADE. LESÃO CORPORAL
DEVIDAMENTE CARACTERIZADA. RECURSO DESPROVIDO,
COM A EXCLUSÃO, DE OFÍCIO, DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
À COMUNIDADE COMO CONDIÇÃO PARA A SUSPENSÃO
CONDICIONAL DA PENA (ART. 77, CP), POR VIOLAÇÃO AO ART.
. (TJPR - 1ª C. Criminal - 0004954-59.2014.8.16.0105 -46 DO CP
Loanda - Rel.: Miguel Kfouri Neto - J. 18.05.2018)

Logo, não é possível a atribuição de serviço comunitário como
pressuposto da suspensão condicional da pena, devendo ser afastada da sentença condenatória,
.ex officio

Quanto as demais condições, importa observar que a aceitação ou não da
suspensão condicional da pena pelo Acusado se dará quando da audiência admonitória,
momento apropriado para tanto, conforme previsto no artigo 160 da Lei de Execuções[1]
Penais.

No que tange a pretensão de indenização por danos morais, cumpre anotar
que esta colenda 1ª Câmara Criminal, em reiteradas decisões, vinha se posicionando pelo
afastamento das reparações mínimas arbitradas pelos Magistrados singulares, ao argumento de
que o acolhimento do pleito exige pedido expresso formulado pelo Ministério Público ou pela
ofendida e que a questão deve ser debatida durante a instrução, de modo a viabilizar o
contraditório e a ampla defesa, conferindo-se, assim, elementos para o arbitramento da
indenização pelos danos morais suportados.

A propósito:

APELAÇÃO CRIMINAL - LESÃO CORPORAL, AMEAÇA, DANO E
VIAS DE FATO, EM CONTEXTO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA.
PRETENSÃO DE ABSOLVIÇÃO - ALEGAÇÃO DE AUSÊNCIA DE
PROVAS SUFICIENTES PARA EMBASAR ÉDITO
CONDENATÓRIO - MATERIALIDADE E AUTORIA
COMPROVADAS - PALAVRA DA VÍTIMA QUE MERECE
ESPECIAL RELEVO - PRECEDENTES DESTA COLENDA
CÂMARA CRIMINAL. PEDIDO DE REDUÇÃO DO QUANTUM DA
REPRIMENTA PENAL - PENA JÁ FIXADA NO MÍNIMO LEGAL.
AFASTAMENTO DA CONDENAÇÃO DE REPARAÇÃO
PECUNIÁRIA POR DANOS MORAIS - CABIMENTO, ANTE A
FALTA DE PEDIDO CONDENATÓRO PELA OFENDIDA DE
MODO A OBSTAR O NECESSÁRIO CONTRADITÓRIO SOBRE A
REFERIDA VERBA E POR NÃO SE APLICAR O ARTIGO 384, IV,
. RECURSO CONHECIDO ECP, A DANOS MORAIS
PARCIALMENTE PROVIDO. (TJPR - 1ª C. Criminal - AC - 1580772-6
- Marmeleiro - Rel.: Clayton Camargo - Unânime - J. 16.02.2017)

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. APELAÇÃO. LESÃO CORPORAL (ART.
129, § 9.º, CP). RÉU CONDENADO À PENA DE TRÊS (3) MESES DE
DETENÇÃO, EM REGIME ABERTO, E PAGAMENTO DE UM (1)
SALÁRIO MÍNIMO A TÍTULO DE INDENIZAÇÃO MÍNIMA (DANO
MORAL). RECURSO DA DEFESA. (...). 4) PLEITO DE
AFASTAMENTO DA CONDENAÇÃO À REPARAÇÃO MÍNIMA DE
DANOS MORAIS SEM CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA.
PROCEDÊNCIA. INEXISTÊNCIA DE PEDIDO DA VÍTIMA OU DO
MINISTÉRIO PÚBLICO NESSE SENTIDO. VIOLAÇÃO DOS
.PRINCÍPIOS DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA
RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO. (TJPR - 1ª C. Criminal -
0003348-88.2014.8.16.0139 - Prudentópolis - Rel.: Miguel Kfouri Neto
- J. 01.03.2018)

APELAÇÃO CRIME. AMEAÇA E LESÃO CORPORAL. VIOLÊNCIA
DOMÉSTICA. INSURGÊNCIA MINISTERIAL BUSCANDO
REPARAÇÃO DE DANOS À VÍTIMA. INVIABILIDADE. AMPLA
. RECURSODEFESA E CONTRADITÓRIO NÃO RESPEITADOS
DESPROVIDO, COM FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS AO DEFENSOR
DATIVO. (TJPR - 1ª C. Criminal - 0018234-45.2015.8.16.0014 -
Londrina - Rel.: Macedo Pacheco - J. 06.09.2018)

Ocorre que o tema foi submetido ao exame do colendo Superior Tribunal
de Justiça que, por ocasião do julgamento do Recurso Especial nº 1.643.051/MS e
1.675.874/MS, , após aprofundada análise desubmetidos ao rito dos recursos repetitivos
pontos tidos por relevantes, assentou a tese de que “nos casos de violência contra a mulher
praticados no âmbito doméstico e familiar, é possível a fixação de valor mínimo indenizatório
a título de dano moral, desde que haja pedido expresso da acusação ou da parte ofendida,
ainda que não especificada a quantia, e independentemente de instrução probatória”,
restando assim ementado:

RECURSO ESPECIAL. RECURSO SUBMETIDO AO RITO DOS
REPETITIVOS (ART. 1.036 DO CPC, C/C O ART. 256, I, DO RISTJ).
VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER.
DANOS MORAIS. INDENIZAÇÃO MÍNIMA. ART. 397, IV, DO CPP.
PEDIDO NECESSÁRIO. PRODUÇÃO DE PROVA ESPECÍFICA
DISPENSÁVEL. DANO IN RE IPSA. FIXAÇÃO CONSOANTE
PRUDENTE ARBÍTRIO DO JUÍZO. RECURSO ESPECIAL
PROVIDO. 1. O Superior Tribunal de Justiça - sob a influência dos
princípios da dignidade da pessoa humana ( CF, art. , III), da
igualdade ( CF, art. , I) e da vedação a qualquer discriminação
atentatória dos direitos e das liberdades fundamentais ( CF, art. , XLI),
e em razão da determinação de que "O Estado assegurará a assistência
à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando
mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações" (art.
226, § 8º) - tem avançado na maximização dos princípios e das regras do
novo subsistema jurídico introduzido em nosso ordenamento com a Lei
n. 11.340/2006, vencendo a timidez hermenêutica no reproche à
violência doméstica e familiar contra a mulher, como deixam claro os
verbetes sumulares n. 542, 588, 589 e 600. 2. Refutar, com veemência, a
violência contra as mulheres implica defender sua liberdade (para amar,
pensar, trabalhar, se expressar), criar mecanismos para seu
fortalecimento, ampliar o raio de sua proteção jurídica e otimizar todos
os instrumentos normativos que de algum modo compensem ou atenuem
o sofrimento e os malefícios causados pela violência sofrida na condição
de mulher. 3. A evolução legislativa ocorrida na última década em nosso
sistema jurídico evidencia uma tendência, também verificada em âmbito
internacional, a uma maior valorização e legitimação da vítima,
particularmente a mulher, no processo penal. 4. Entre diversas outras
inovações introduzidas no Código de Processo Penal com a reforma de
2008, nomeadamente com a Lei n. 11.719/2008, destaca-se a inclusão do
inciso IV ao art. 387, que, consoante pacífica jurisprudência desta Corte
Superior, contempla a viabilidade de indenização para as duas espécies
de dano - o material e o moral -, desde que tenha havido a dedução de
seu pedido na denúncia ou na queixa. 5. Mais robusta ainda há de ser
tal compreensão quando se cuida de danos morais experimentados pela
mulher vítima de violência doméstica. Em tal situação, emerge a
inarredável compreensão de que a fixação, na sentença condenatória, de
indenização, a título de danos morais, para a vítima de violência
doméstica, independe de indicação de um valor líquido e certo pelo
postulante da reparação de danos, podendo o quantum ser fixado
minimamente pelo Juiz sentenciante, de acordo com seu prudente
arbítrio. 6. No âmbito da reparação dos danos morais - visto que, por
óbvio, os danos materiais dependem de comprovação do prejuízo, como
sói ocorrer em ações de similar natureza -, a Lei Maria da Penha,
complementada pela reforma do Código de Processo Penal
mencionada, passou a permitir que o juízo único - o criminal - possa
decidir sobre um montante que, relacionado à dor, ao sofrimento, à
humilhação da vítima, de difícil mensuração, deriva da própria prática
criminosa experimentada. 7. Não se mostra razoável, a esse fim, a
exigência de instrução probatória acerca do dano psíquico, do grau de
humilhação, da diminuição da autoestima etc., se a própria conduta
criminosa empregada pelo agressor já está imbuída de desonra,
descrédito e menosprezo à dignidade e ao valor da mulher como pessoa.
8. Também justifica a não exigência de produção de prova dos danos
morais sofridos com a violência doméstica a necessidade de melhor
concretizar, com o suporte processual já existente, o atendimento
integral à mulher em situação de violência doméstica, de sorte a reduzir
sua revitimização e as possibilidades de violência institucional,
consubstanciadas em sucessivas oitivas e pleitos perante juízos diversos.
9. O que se há de exigir como prova, mediante o respeito ao devido
processo penal, de que são expressão o contraditório e a ampla defesa, é
a própria imputação criminosa - sob a regra, derivada da presunção de
inocência, de que o onus probandi é integralmente do órgão de
acusação -, porque, uma vez demonstrada a agressão à mulher, os danos
psíquicos dela derivados são evidentes e nem têm mesmo como ser
demonstrados. 10. Recurso especial provido para restabelecer a
indenização mínima fixada em favor pelo Juízo de primeiro grau, a
título de danos morais à vítima da violência doméstica. TESE: Nos casos
de violência contra a mulher praticados no âmbito doméstico e familiar,
é possível a fixação de valor mínimo indenizatório a título de dano
moral, desde que haja pedido expresso da acusação ou da parte
ofendida, ainda que não especificada a quantia, e independentemente de
instrução probatória.” (STJ, REsp 1643051/MS, Rel. Ministro
ROGERIO SCHIETTI CRUZ, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em
28/02/2018, DJe 08/03/2018)

Oportuno salientar que a Corte Superior, ao consignar a necessidade de
pedido expresso de fixação de reparação mínima, nos termos do artigo 387, inciso IV, do
CPP, destacou que assim restam atendidas as garantias constitucionais, porque viabiliza ao
Acusado a oportunidade de contraditório e ampla defesa, sendo despicienda a indicação do
valor pretendido. Sob esse aspecto, aliás, as decisões deste Colegiado se coadunam com a tese
firmada no julgado.

De outro vértice, e aí reside a dissonância em relação ao que vinha sendo
decidido por esta 1ª Câmara Criminal, a decisão paradigma sedimentou o entendimento no
sentido de que a prova do dano moral sofrido pela vítima, em casos envolvendo violência
doméstica e familiar, prescinde de dilação probatória para se aferir o mínimo da indenização a
ser suportada pelo Réu.

De acordo com o relator, Ministro Rogerio Schietti Cruz, há se analisar
todo o contexto histórico que abarca a questão da violência doméstica para se concluir que o
sofrimento psíquico que respalda o pleito de reparação decorre da própria prática criminosa,
esta, sim, submetida ao crivo do contraditório e ampla defesa.

Trata-se, pois, de , não sendo razoável a exigência dano moral in re ipsa
“(...) de instrução probatória acerca do dano psíquico, do grau de humilhação, da
diminuição da autoestima, etc, se a própria conduta criminosa empregada pelo agressor já
está imbuída de desonra, descrédito e menosprezo ao valor da mulher como pessoa e à sua
( REsp 1643051/MS, Rel. Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ,própria dignidade.”
TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 28/02/2018, DJe 08/03/2018).

Portanto, comprovado o fato delituoso, os mesmos elementos que
ensejaram a condenação devem ser utilizados para aquilatar a reparação pelos danos morais
suportados pela vítima, valendo salientar que a regra trazida pelo Diploma Adjetivo faz
referência à fixação de um “valor mínimo”, sem prejuízo de que a discussão seja ampliada na
esfera cível.

Nessa razão, e à luz da eficácia conferida às teses firmadas em decisões
submetidas ao rito dos recursos repetitivos, entendo que os fundamentos que até então
respaldavam as decisões já proferidas em casos semelhantes, inclusive de minha relatoria,
restaram superadas, de forma a permitir a fixação de indenização mínima a título de dano
moral à vítima de violência praticada em âmbito doméstico e familiar, observados os
parâmetros do acórdão paradigma.

Consigne-se, a propósito, que o eminente Desembargador Miguel Kfouri
, integrante desta colenda 1ª Câmara Criminal, já adotou o posicionamento do colendoNeto
Superior Tribunal de Justiça, passando a decidir conforme o novo entendimento:

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. AMEAÇA, DESOBEDIÊNCIA E VIAS
DE FATO (ARTS. 147 E 330 DO CP, E ART. 21 DA LCP).
CONDENAÇÃO À PENA DE TRÊS (3) MESES E QUINZE DIAS DE
DETENÇÃO, UM (1) MÊS E QUINZE (15) DIAS DE PRISÃO
SIMPLES E DEZ (10) DIAS-MULTA, EM REGIME SEMIABERTO.
RECURSO MINISTERIAL. PRETENSÃO DE FIXAÇÃO DE
INDENIZAÇÃO MÍNIMA. DANO MORAL. ART. 387, INC. IV, CPP.
ACOLHIMENTO. PEDIDO EXPRESSO NAS ALEGAÇÕES FINAIS.
DANO IN RE IPSA. DESNECESSIDADE DE PRODUÇÃO DE
PROVA ESPECÍFICA. ORIENTAÇÃO FIRMADA PELO STJ AO
JULGAR RECURSO ESPECIAL SUBMETIDO AO RITO DOS
REPETITIVOS. RECURSO PROVIDO, COM ABSOLVIÇÃO, EX
OFFICIO, DO RÉU PELA PRÁTICA DE DESOBEDIÊNCIA.
ATIPICIDADE DA CONDUTA (ART. 386, INC. III, CPP). “Nos casos
de violência contra a mulher praticados no âmbito doméstico e familiar,
é possível a fixação de valor mínimo indenizatório a título de dano
moral, desde que haja pedido expresso da acusação ou da parte
ofendida, ainda que não especificada a quantia, e independentemente de
” (STJ, 3.ª Seção, REsp 1675874/MS, Rel. Min.instrução probatória
ROGERIO SCHIETTI CRUZ, j. em 28/02/2018). (TJPR - 1ª C.
Criminal - 0017453-23.2015.8.16.0014 - Londrina - Rel.: Miguel Kfouri
Neto - J. 23.08.2018)

Lançadas essas considerações, há que se analisar a pretensão formulada
pelo de reparação pelos danos morais.Parquet

Extrai-se dos autos que, em alegações finais orais (mov. 69.4), o
Ministério Público pugnou pela condenação do Acusado e pela reparação de danos causados
pela infração.

Encerrada a instrução, o Magistrado , após concluir pela condenaçãoa quo
de Antônio Marcelino Alexandre pela prática do delito de lesão corporal no âmbito das
relações domésticas ( CP, artigo 129, § 9º), deixou de fixar valor mínimo de reparação, previsto
no art. 387, IV, do CPP, “em vista da ausência de pedido nesse sentido, bem como por não ter
sido abordada tal questão no decorrer da instrução criminal, faltando elementos capazes de
fundamentar o quantum devido”.

O entendimento, contudo, não tem o condão de prevalecer.

Calha anotar, consoante acima se destacou e ao reverso do que concluiu o
Juiz de primeiro grau, que houve pedido expresso pelo douto Agente Ministerial para a
fixação de valor mínimo para a reparação de danos em favor da vítima em alegações finais
orais (mov. 69.4). Da mesma forma, em se tratando de dano moral e na esteira doin re ipsa
precedente do colendo Superior Tribunal de Justiça, desnecessária a dilação probatória acerca
da sua ocorrência, sendo suficiente ao acolhimento do pleito a análise dos elementos
probatórios que deram ensejo à condenação de Antônio.

Na hipótese, sobreleva a declaração prestada pela ofendida Karen Dayane
ao descrever a forma como o Acusado a subjugou com atos de violênciaFortunato de Souza
física e psicológica, proferindo xingamentos como “biscate” e “vagabunda”, além de
constantemente fazer insinuações de que ela lhe traia, ocasionando brigas diárias.

Desse modo, há que se proceder a reforma pontual do , para o fimdecisum
de fixar, nos termos do artigo 387, IV, CPP, em favor de Karen Dayane Fortunato de Souza, a
quantia mínima de R$ 300,00 (trezentos reais) a título de reparação pelos danos morais
suportados pela vítima, corrigidos monetariamente desde a data do arbitramento (Súmula 362,
STJ), incidindo, ainda, juros de mora à razão de 1% (um por cento) ao mês, a partir do evento
danoso (Súmula 54, STJ).

Por fim, devem ser fixados honorários advocatícios ao Defensor Dativo do
Apelado por sua atuação em sede recursal.

Verifica-se que na sentença (mov. 75.1) foi estabelecido o valor de R$
900,00 (novecentos reais) a título de honorários advocatícios ao Defensor nomeado. Não há
dúvidas de que deve o Estado remunerar o douto Causídico pela atuação nesta instância
recursal, já que é dever estatal prestar assistência jurídica integral aos que dela necessitam,
nos termos do artigo , LXXIV, da Constituição da Republica.

Assim sendo, alinhando-se ao entendimento esposado por esta Colenda
Câmara, deve ser fixada verba honorária em favor do Defensor Dativo, Dr. Celso Bisinella
(OAB/PR nº 56.909) no montante de R$ 800,00 (oitocentos reais), nos termos do que sugere a
Resolução Conjunta nº 04 de 2017 – PGE/SEFA, cuja quantia remunera dignamente o douto
Causídico pelo trabalho desempenhado nesta Instância.

Destarte, impõe-se ao recurso interposto pelo Ministériodar provimento
Público para fixar, em favor da ofendida, a quantia mínima de R$ 300,00 (trezentos reais) a
título de reparação pelos danos morais suportados, arbitrar honorários advocatícios em favor
do Defensor Dativo do Apelado, e excluir, , a prestação de serviços à comunidadeex officio
como condição da suspensão condicional da pena.

3. Ex positis:

os integrantes da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de JustiçaACORDAM
do Estado do Paraná, por de votos, em ao recurso para fixar,unanimidade dar provimento
em favor de Karen Dayane Fortunato de Souza, a quantia mínima de R$ 300,00 (trezentos
reais) à título de reparação de danos morais suportados, arbitrar honorários advocatícios em
favor do Defensor Dativo do Apelado e excluir, de ofício, a prestação de serviços à
comunidade como condição da suspensão condicional da pena.

O julgamento foi presidido pelo eminente Desembargador CLAYTON
(Relator) e dele participaram o eminente Juiz Substituto em 2º Grau CAMARGO
e o eminente Juiz Substituto em 2º Grau BENJAMIM ACÁCIO DE MOURA E COSTA
NAOR RIBEIRO DE MACEDO NETO.

Curitiba, 22 de novembro de 2018.

Des. CLAYTON CAMARGO
Relator

“[1] Art. 160. Transitada em julgado a sentença condenatória, o Juiz lerá ao condenado, em
audiência, advertindo-o das consequências de nova infração penal e do descumprimento das
condições impostas”.

Disponível em: https://tj-pr.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/836210011/processo-criminal-recursos-apelacao-apl-848183120148160014-pr-0084818-3120148160014-acordao/inteiro-teor-836210015

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CRIMINAL - Recursos - Apelação: APL 000XXXX-09.2015.8.16.0064 PR 000XXXX-09.2015.8.16.0064 (Acórdão)

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CRIMINAL - Recursos - Apelação: APL 007XXXX-30.2014.8.16.0014 PR 007XXXX-30.2014.8.16.0014 (Acórdão)

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 5 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - PROPOSTA DE AFETAÇÃO NO RECURSO ESPECIAL: ProAfR no REsp 1643051 MS 2016/0325967-4

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 5 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1675874 MS 2017/0140304-3

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CRIMINAL - Recursos - Apelação: APL 000XXXX-88.2014.8.16.0139 PR 000XXXX-88.2014.8.16.0139 (Acórdão)