jusbrasil.com.br
26 de Setembro de 2017
    Adicione tópicos

    Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR : 8151460 PR 815146-0 (Acórdão) - Inteiro Teor

    Tribunal de Justiça do Paraná
    há 5 anos

    Inteiro Teor

    PODER JUDICIÁRIO
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    3ª CÂMARA CRIMINAL - APELAÇAO CRIME Nº 815146-0 VARA ÚNICA DA COMARCA DE MANGUEIRINHA APELANTE (1): GILBERTO SCHOSSLER APELANTE (2): RODRIGO EDUARDO CORREA APELANTE (3): ZULNIR CARLOS RIZZO APELADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR: JUIZ JEFFERSON ALBERTO JOHNSSON1 REVISORA: DESEMBARGADORA SÔNIA REGINA DE CASTRO APELAÇAO CRIME. LATROCÍNIO. 157, , DO CÓDIGO PENAL. RECURSO DO APELANTE (1). MANUTENÇAO DA SENTENÇA CONDENATÓRIA. CONJUTO PROBATÓRIO FIRME E SUFICIENTE A CONDENAÇAO. RECURSO DO APELANTE (2) PRELIMINAR. NULIDADE DA PROVA PRODUZIDA ATRAVÉS PRECATÓRIA. INTIMAÇAO DA DEFESA DA EXPEDIÇAO DA CARTA PRECATÓRIA. TRÂMITE LEGAL QUE DEVE SER ACOMPANHADO PELO ADVOGADO. MÉRITO. MANUTENÇAO DA SENTENÇA CONDENATÓRIA. CONJUTO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ PROBATÓRIO FIRME E SUFICIENTE A CONDENAÇAO. ALEGAÇAO DE COAÇAO. INEXISTÊNCIA DE PROVA NESSE SENTIDO NOS MOLDES DO ARTIGO 156, DO CÓDIGO DE PROCESSO. PROVAS DEMONSTRANDO QUE O RÉU CONTRIBUIU ATIVAMENTE NA PRÁTICA DO CRIME, RESTANDO EVIDENCIADO O VÍNCULO SUBJETIVO ENTRE ELE E CORRÉU. NEGATIVA DO DISPARO. IRRELEVÂNCIA. RÉU QUE AO PLANEJAR O ASSALTO E PARTICIPAR DO CRIME RESPONDE PELO RESULTADO MORTE, AINDA QUE NAO TENHA SIDO O AUTOR DIRETO DO DISPARO. TESE DA MENOR PARTICIPAÇAO. INAPLICABILIDADE DIANTE DA PROVA DA COAUTORIA. ALEGAÇAO DE QUE SUA INTENÇAO ERA DE PARTICIPAR DE CRIME MENOS GRAVE. FATO NAO DEMONSTRADO. RÉU QUE TINHA AMPLO CONHECIMENTO DA EMPREITADA CRIMINOSA. (ART. 29, , , CP). DOSIMETRIA PENAL. MATÉRIA SUJEITA A CERTA DISCRICIONARIEDADE JUDICIAL. APLICAÇAO ESCORREITA. QUANTUM PROPORCIONAL. PLEITO DE APLICAÇAO DA CONFISSAO ESPONTÂNEA. Art. 65, III, d. IMPOSSIBILIDADE. CONFISSAO QUALIFICADA. ACUSADO NEGA O DOLO NA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ CONDUTA. APELANTE (3) ABSOLVIDO. AUSÊNCIA DE PROVAS ROBUSTAS, CONCRETAS E SUFICIENTES NECESSÁRIAS PARA UM DECRETO CONDENATÓRIO. DIVERGÊNCIA E CONTRADIÇÕES DOS DEPOIMENTOS DOS CORRÉUS ACERCA DOS FATOS. APLICAÇAO DO PRINCÍPIO IN DUBIO PRO REO.
    VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Apelação Criminal nº 815146-0, da Vara Única de Mangueirinha, em que figuram como apelantes: GILBERTO SCHOSSLER, RODRIGO EDUARDO CORREA e ZULNIR CARLOS RIZZO, sendo apelado o MINISTÉRIO PÚBLICO. I Gilberto Schossler, Rodrigo Eduardo Correa, e Zulnir Carlos Rizzo, qualificados nestes autos, foram denunciados pelo Ministério Público como incursos nas sanções do artigo 157, , parte final, c/c art. 29, ambos do Código Penal, pela prática dos fatos descritos na peça acusatória de fls. 02/07, os quais transcrevo:
    "No dia vinte e oito de agosto de 2009, por volta das 20h00min., entre os Municípios de Palmas-PR, Clevelândia- PR e Mangueirinha PR, os denunciados RODRIGO
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    EDUARDO CORREA, GILBERTO SCHOSSLER e ZULNIR CARLOS RIZZO, juntamente com indivíduos ainda não suficientemente identificados, dolosamente, conscientes da ilicitude de suas condutas, mediante prévio acordo de vontades e distribuição de tarefas, com ânimo de assenhoreamento definitivo, empregando violência física e grave ameaça consistente no uso ostensivo de armas de fogo, subtraíram para todos 3.604 (três mil seiscentas e quatro) panelas de pressão de 4,51, marca Panelux, 1.320 (mil trezentas e vinte) panelas de pressão de 7,01, marca Panelux, e 66 (sessenta e seis) panelas de pressão de 7,001, marca Panelux, avaliadas em
    (oitenta e um mil quatrocentos e oitenta reais cinquenta e dois centavos), pertencentes à Alcast do Brasil Ltda., conforme boletim de ocorrência de fls. 38/41 e notas fiscais de fl. 62/64.
    Segundo apurado, dias antes da subtração ZULNIR CARLOS RIZZO entrou em contato com RODRIGO EDUARDO CORREA e GILBERTO SCHOSSLER, instigando-os a praticarem o assalto, comprometendo-se a receber e remunerar pela carga de panelas de pressão.
    Instigados pela proposta de ZULNIR CARLOS RIZZO, os demais denunciados, sabedores que o produto encomendado seria transportado por Jairo da Luz de Andrade Pimentel, armaram-se de armas de fogo e deliberaram por abordar a vítima no dia vinte de agosto de 2009.
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    Apurou-se que na data convencionada, no Trevo Tia Joana, na cidade de Palmas PR, GILBERTO SCHOSSLER e RODRIGO EDUARDO CORREA não tiveram dificuldade em abordar Jairo da Luz Andrade Pimentel, que conduzia o caminhão Volkswagen, modelo 17.220, placa MAY 0693, pois pediram carona e a vítima, que já conhecia os denunciados, não teve receio em permitir que seus algozes entrassem no veículo.
    Ato contínuo, Jairo da Luz Andrade Pimentel, mediante o emprego de arma de fogo, foi rendido e, juntamente com seu veículo, foi levado até a localidade denominada Restinga dos Paióis, interior de Palmas-PR, onde parte da carga foi descarregada e armazenada na propriedade de Alfredo Camargo.
    Em seguida, os denunciados RODRIGO EDUARDO CORREA e GILBERTO SCHOSSLER juntamente com comparsas ainda não devidamente identificados, dirigiram-se ao Município de Mangueirinha, ocasião em que ainda mantinham sob seu poder a vítima Jairo da Luz Andrade Pimentel, bem como o caminhão mencionado no segundo parágrafo. Na oportunidade, os denunciados também conduziam o caminhão Agrale Baú, modelo TX1.600, placa ABC 9617, de propriedade de GILBERTO SCHOSSLER.
    Chegando à cidade de Mangueirinha, na Localidade da Canhada Funda, RODRIGO EDUARDO CORREA e
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    GILBERTO SCHOSSLER transferiram o restante da carga do caminhão da vítima para o veículo do segundo denunciado.
    Nesta ocasião, com claro intuito de evitar posterior identificação dos assaltantes, a vítima foi brutalmente morta, sendo alvejada por dois disparos de arma de fogo que provocaram as lesões descritas no laudo de necropsia de fls.
    58/61. Ainda com a intenção de evitar a persecução criminal, os autores do ilícito atearam fogo ao corpo da vítima e ao seu caminhão.
    Consta, ainda, que os denunciados deixaram o local e dirigiram-se à cidade de Clevelândia-PR, onde ZULNIR CARLOS RIZZO aguardava a carga que previamente havia instigado à subtração.
    Em Clevelândia-PR, ZULNIR CARLOS RIZZO, no exercício de sua atividade comercial, em proveito próprio, recebeu e ocultou a carga de panelas de pressão acima descrita, cuja origem ilícita tinha pleno conhecimento, inclusive tendo participado ativamente para sua subtração.
    Por fim, tão logo tomou conhecimento do crime, a autoridade policial encetou diligências e, no dia trinta de agosto de 2009, obteve sucesso em localizar os dois primeiros denunciados, executores do ilícito. Ainda durante as diligências, identificou- se o partícipe, na modalidade de instigação, razão pela qual a autoridade policial dirigiu-se ao estabelecimento comercial denominado" Triunfo Importadora ", pertencente a
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    ZULNIR CARLOS RIZZO, onde foi encontrada parte da carga subtraída, conforme auto de exibição e apreensão de fl.
    122."
    A MM. Juíza de Direito proferiu sentença (fls. 744-767) julgando parcialmente procedente a denúncia, para condenar GILBERTO SCHOSSLER à pena de 22 (vinte e dois) anos de reclusão, em regime inicialmente fechado e ao pagamento de 20 (vinte) dias-multa fixados em 1/20 (um vinte avos) do salário mínimo; RODRIGO EDUARDO CORREA à pena de 23 (vinte e três) anos de reclusão, em regime inicialmente fechado e ao pagamento de 20 (vinte) dias-multa fixados em 1/30 (um trigésimo) do salário mínimo; e ZULNIR CARLOS RIZZO à pena de 22 (vinte e dois) anos de reclusão, em regime inicialmente fechado e ao pagamento de 20 (vinte) dias-multa fixados em 1/10 (um décimo) do salário mínimo, todos como incursos nas penas do artigo 157, 3.º, parte final, combinado com artigo 29, ambos do Código Penal.
    O réu RODRIGO EDUARDO CORREA apelou pleiteando (a) nulidade do feito, "de sorte que preteriu-se em dar-se conhecimento ao réu da nova imputação, bem como descurou-se de realizar interrogatório do deste, sobre fato constante da novel denúncia de folha, com o que restou-lhe amputado-lhe e sonegando-lhe o sagrado direito ao exercício efetivo da ampla defesa" (sic). No mérito, requereu sua absolvição, reputando atípico o delito de latrocínio ante a ausência de dolo, bem como alegando deficiência
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    probatória, e, em não sendo acolhidos os pedidos anteriores, requer que o crime seja considerado tentado.
    O réu GILBERTO SCHOSSLER apelou alegando preliminar de nulidade por cerceamento de defesa, em razão da falta de intimação da defesa da expedição da carta precatória. Alegou que embora o recorrente tenha auxiliado Rodrigo em subtrair, não o ajudou a tirar a vida da vítima, nem portava a arma de fogo. Aduziu que inexiste dolo especifico na ação desfechada pelo apelante. Que a vítima foi morta antes do início dos preparativos para subtração. Pugnou pelo reconhecimento da atenuante da confissão espontânea, bem como disse que as circunstâncias judiciais do artigo 59, do Código Penal foram analisadas equivocadamente. Por derradeiro, requereu a (a) nulidade do processo; (b) a improcedência da ação penal, porquanto o apelante não concorreu para o crime, subsidiariamente requereu (c) anulação da sentença por falta de fundamentação; (d) a desclassificação para o crime de roubo, na forma do artigo 29, , do Código Penal; (e) redução da carga penal (fls. 902/944).
    O réu ZULNIR CARLOS RIZZO apelou pleiteando sua absolvição, e, em não sendo acolhido tal pedido, requereu a condenação por roubo simples. Em síntese, alegou que o réu foi preso em 1º de setembro de 2009, pelo crime de Receptação, sendo que somente na Delegacia tomou conhecimento do crime de Latrocínio. Sustentou que não houve comunicação prévia entre os acusados no intuito de enganar a polícia. Disse que sua condenação tomou por base a "chama de corréu", fonte de prova
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    suspeita, a qual serviu de única prova para arrimar a condenação. Ainda, que não há certeza sobre o sentido da frase "boca cheia de formiga não fala", utilizada pela magistrada na motivação da Sentença. Alegou que a esposa de Gilberto mentiu e que o Ministério Público não comprovou o ônus da acusação. Asseverou que os extratos telefônicos provam que não existiu contato entre o recorrente e Gilberto. Aduziu que inexiste elemento subjetivo do tipo do crime de Latrocínio (fls. 854/877).
    O recurso foi contra-arrazoado às fls. 809/823 e às fls.
    950/964.
    A douta Procuradoria de Justiça opinou pelo conhecimento parcial do recurso de Rodrigo Eduardo Correa, e na parte conhecida, pelo desprovimento da apelação, e pelo desprovimento dos recursos de Zulnir Carlos Rizzo e Gilberto Schossler. (fls. 977/1007).
    Vieram-me os autos conclusos.
    É o relatório.
    Passo a decidir.
    1. CONHECIMENTO
    1.1 Do recurso do recorrente Rodrigo Eduardo Correa
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    As razões recursais do réu Rodrigo Eduardo Correa de folhas 794-799 não guardam relação com os fatos apurados nos autos. Como bem arrazou o Ministério Público "juntou argumentos totalmente estranhos ao presente processo [...] o defensor de Rodrigo Eduardo Correa simplesmente apôs o nome deste apelante em razões recursais referentes a fatos ocorridos em outro processo, sem proceder a qualquer adequação à presente demanda, resultando em argumentos totalmente desprovidos de qualquer fundamento" fl.814. A única coisa que se aproveita é o pedido de absolvição, sob o argumento de que não tinha intenção para praticar o crime.
    Como já decidiu o STF: "Com relação à falta de razões de apelação e de contrarazões à apelação do Ministério Público, não há se falar em nulidade por cerceamento de defesa se o advogado constituído pelo réu foi devidamente intimado para apresentá-las, depreendendo-se do art. 601 do CPP a não essencialidade das razões." (RT 730/442). Se a falta de razões não enseja nulidade, por certo que no caso em que as razões foram apresentadas, mesmo desconexas, a apelação deve ser conhecida, sem ensejar qualquer nulidade.
    Também do STF: "Não ocorre violação do princípio da ampla defesa nem há nulidade a ser declarada quando a apelação é interposta por termo nos autos por"erro ou injustiça na aplicação da pena"(CPP, art. 593, III, c) e o defensor, devidamente intimado, não apresenta as razões a Segunda Instância (CPP, art. 660, 4.º), porque aplica-se ao caso o art. 601 do CPP,
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    além disso, mesmo sem o arrazoado, o Tribunal de Justiça examinou em profundidade a matéria apelada (Súmula 523) Precedente"(JSTF 209/273).
    No mesmo sentido HC 10.974-SC-5.ª Turma.rel.Min Edson Vidigal-14-12- 1999-STJ e JUBI 47/00))
    Assim, como a apelação devolve ao tribunal toda a matéria decidida em primeira instância, inexistindo prejuízo ao recorrente, conheço do recurso de Rodrigo Eduardo Correa.
    1.2 Dos recursos dos recorrentes Gilberto Schossler e Zulnir Carlos Rizzo
    Por presentes os pressupostos recursais de admissibilidade intrínsecos (legitimidade, interesse, cabimento e inexistência de fato impeditivo e extintivo) e extrínsecos (tempestividade e regularidade formal), motivo pelo qual conheço dos recursos.
    2. Da preliminar
    2.1 Da preliminar de nulidade aventada pelo recorrente Gilberto Schossler.
    Pugnou o recorrente pela nulidade da prova produzida por precatória, em razão da não intimação da defesa quanto a expedição da Carta
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    Precatória, o que ofenderia o disposto no artigo 222, do Código de Processo Penal.
    Contudo, razão não assiste ao recorrente.
    Compulsando os autos, verifica-se que a magistrada determinou a expedição de carta precatória para Comarca de Palmas e Pato Branco (fl.325), com decisão veiculada no Diário de Justiça, sendo o advogado do recorrente, Dr. Patrique Matto Drey, OAB-PR 40.209, devidamente intimado da decisão, conforme se vê às folhas 341.
    Portanto verifica-se que houve ciência da defesa do recorrente acerca da determinação da expedição de carta precatória, e ainda que alegue que houve prejuízo, pois teria a defesa "ficado no aguardo deste expediente
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    para que tomasse as diligências de estilo", ocasionando cerceamento de defesa, sua tese não restou demonstrada.
    Nota-se que foram deprecadas as intimações das seguintes informantes Cleci P. Pimentel (São José SC) e Mirian da Silva Schossler (Palmas), das testemunhas Juliano Gil Rosa de Castilhos (Palmas); Alcir Ghidini (Pato Branco); Agnaldo César Pereira (Palmas); Alfredo Camargo (Palmas) fl.07.
    Durante a audiência realizada no Juízo de Magueirinha, em que esteve presente a defesa do recorrente, foram ouvidas as testemunhas João Luiz de Castro Rosa e Mirian da Silva Schossler, tendo o magistrado deliberado para que a escrivania certificasse acerca da realização da audiência informada pelo Juízo de Pato Branco (fl.345), bem como determinou diligências acerca da data designada para oitiva de testemunhas que foram deprecadas para as Comacas de Palmas e São José, aguardando-se o retorno das precatórias expedidas.
    Nota-se, inclusive pela certidão de fl.365, que audiência designada pela Comarca de Pato Branco sequer realizou-se, diante da ausência da testemunha. Consta que tal testemunha (Alcir Ghidini) foi ouvida na Comarca de Iretama (fl.370), quando então estava presente a defesa constituída pelo recorrente (fl.382).
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    Portanto, tinha a defesa conhecimento da determinação de expedição da carta precatória, em nada lhe socorrendo o argumento que "lançou-se sobre a defesa o ônus de acompanhar o curso de uma carta precatória que sequer tinha conhecimento".
    Ademais, na audiência realizada na Comarca de Palmas onde foram ouvidas as testemunhas Juliano Gil Rosa de Castilhos e Agnadldo Cesar Pereira, consta que o recorrente Gilberto foi representado por defensor nomeado Dr. Alexandre Herculano Brum (fl.401). O mesmo ocorreu quando da oitiva da testemunha Alfredo Camargo, (fl.408).
    Conclui-se que em duas oportunidades teve a defesa do recorrente ciência acerca da determinação da expedição da carta precatória, seja quando da intimação via Diário de Justiça (fl.341), ou mesmo durante as deliberações da audiência realizada no Juízo de Mangueirinha, onde o magistrado cobrou informações acerca do cumprimento das deprecatas (fl.361).
    Sobre a questão é oporuno citar as seguintes Súmulas:
    Súmula 155 do Supremo Tribunal Federal "é relativa a nulidade do processo criminal por falta de intimação da expedição de precatória para inquirição de testemunha".
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    Súmula 273 do Superior Tribunal de Justiça: "Intimada a defesa da expedição da carta precatória, torna-se desnecessária intimação da data da audiência no juízo deprecado".
    No caso dos autos a intimação da expedição da carta precatória e posterior ciência da cobrança de seu cumprimento pelo magistrado quando da audiência, mostra-se suficiente a ciência do defensor constituído acerca da expedição das Cartas Precatórias, a quem cabia o dever de acompanhar o seu andamento no Juízo deprecado para comparecimento à audiência.
    Portanto, em nada socorre o recorrente o argumento que os fatos implicaram na impossibilidade dos defensores constituídos de contradizer a versão apresentada pela acusação, de formular perguntas, pois conforme já explanado era ônus da defesa, sabedora da expedição das Cartas Precatórias, acompanhar seu trâmite junto ao Juízo deprecado, a fim de tomar conhecimento do seu andamento e adotar as providências que julgasse cabível.
    Acerca do tema cito:
    "A doutrina do tema assenta, verbis:"Intimada a defesa da expedição de precatória, desnecessária nova intimação da data designada para a realização da audiência no juízo deprecado
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    (nesse sentido: Súmula 273 do STJ). Essa providência não é tida por lei como essencial ao exercício da defesa, por considerar que, primordialmente, cabe ao defensor inteirar-se naquele juízo sobre a data escolhida para a realização da prova."(in Jesus, Damásio E. - Código de Processo Anotado, 23ª edição atualizada, São Paulo: Saraiva, 2009, p. 195). 6. No caso, tendo sido realizada a intimação da expedição da carta precatória e a nomeação de defensor ad hoc para a realização do ato, afigura-se correta a aplicação, pelo Tribunal a quo, da Súmula nº 155 do Supremo Tribunal Federal, que proclama, verbis:"É relativa a nulidade do processo criminal por falta de intimação da expedição de precatória para inquirição de testemunha."7. É cediço na Corte que: a) no processo penal vigora o princípio geral de que somente se proclama a nulidade de um ato processual quando há a efetiva demonstração de prejuízo, nos termos do que dispõe o art. 563 CPP, verbis:"Nenhum ato será declarado nulo, se da nulidade não resultar prejuízo para a acusação ou para a defesa"; b) nesse mesmo sentido é o conteúdo do Enunciado da Súmula nº 523 do Supremo Tribunal Federal:"No processo penal, a falta de defesa constitui nulidade absoluta, mas a sua deficiência só o anulará se houver prova de prejuízo para o réu."8. A doutrina assenta, verbis:"Constitui seguramente a viga mestra do sistema das nulidades e decorre da idéia geral de que as formas
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    processuais representam tão-somente um instrumento para correta aplicação do direito; sendo assim, a desobediência às formalidades estabelecidas pelo legislador só deve conduzir ao reconhecimento da invalidade do ato quando a própria finalidade pela qual a forma foi instituída estiver comprometida pelo vício"(in Grinover, Ada Pellegrini - As nulidades no processo penal, Revista dos Tribunais, 7ª EDIÇAO, 2001, p. 28). 9. É que o processo penal pátrio, no que tange à análise das nulidades, adota o Sistema da Instrumentalidade das Formas, em que o ato é válido se atingiu seu objetivo, ainda que realizado sem obediência à forma legal. Tal sistema de apreciação das nulidades está explicitado no item XVII da Exposição de Motivos do Código de Processo Penal, segundo o qual"não será declarada a nulidade de nenhum ato processual, quando este não haja influído concretamente na decisão da causa ou na apuração da verdade substancial. Somente em casos excepcionais é declarada insanável a nulidade."10. Outrossim, é cediço na Corte que:"(...) O princípio do pas de nullité sans grieg corolário da natureza instrumental do processo exige, sempre que possível, a demonstração de prejuízo concreto à parte que suscita o vício, ainda que a sanção prevista seja a de nulidade absoluta do ato"(HC 93868/PE, Rel. Ministra CÁRMEN LÚCIA, PRIMEIRA TURMA, DJe 16/12/2010).
    À guisa de exemplo, demais precedentes: HC 98403/AC, Rel.
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    Ministro AYRES BRITTO, SEGUNDA , DJe 07/10/2010; HC 94.817, Rel. Ministro GILMAR MENDES, SEGUNDA TURMA, DJe 02/09/2010; HC 98403/AC, Rel. Ministro AYRES BRITTO, SEGUNDA TURMA, DJe 07/10/2010; HC 94.817, Rel. Ministro GILMAR MENDES, SEGUNDA TURMA, DJe 02/09/2010. 11. In casu, colhe-se que não houve a efetiva demonstração de prejuízo para a defesa. A impetrante se limita a defender que"(...) não há como provar como seria a audiência se um defensor com verdadeiro conhecimento do processo tivesse participado da audiência. O prejuízo é óbvio. Não meramente presumido, mas certo, muito embora indemonstrável". 12. Parecer do parquet pela denegação da ordem. Ordem denegada. HC 104767, Relator (a): Min. LUIZ FUX, Primeira Turma, julgado em 14/06/2011, DJe-157 DIVULG 16-08-2011 PUBLIC 17-08-2011 EMENT VOL-02567-01 PP-00145)
    "A intimação do advogado para a inquirição de testemunhas no juízo deprecado é desnecessária quando realizada a intimação da expedição da carta precatória. Cabe ao impetrante acompanhar toda a tramitação da precatória perante o juízo deprecado, a fim de tomar conhecimento da data designada para a diligência. (Precedentes: HC 89186, Rel. Ministro EROS GRAU, SEGUNDA TURMA, DJ
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    06/11/2006; HC 84098/MA, Rel. Ministro ELLEN GRACIE, SEGUNDA TURMA, DJ 20/04/2004).
    CRIMINAL. HC. TRÁFICO DE ENTORPECENTES. [...].
    DEFENSOR INTIMADO DA EXPEDIÇAO DA CARTA PRECATÓRIA. TRÂMITE LEGAL QUE DEVE SER ACOMPANHADO PELO ADVOGADO. AUSÊNCIA DE PREJUÍZO À DEFESA. DECISAO QUE DETERMINOU O RECOLHIMENTO ANTECIPADO DA DEPRECATA.
    DESFUNDAMENTAÇAO. INOCORRÊNCIA. ORDEM DENEGADA. [..] Não se reconhece a nulidade do feito pela ausência de intimação do não cumprimento da Carta Precatória, diante da falta de previsão legal e, ainda, por que evidenciado que o patrono do paciente foi devidamente intimado da expedição da deprecata, cabendo ao defensor constituído acompanhar o trâmite do instrumento.
    Precedentes do STJ e do STF. [...] (36794 RJ 2004/0098958- 5, Relator: Ministro GILSON DIPP, Data de Julgamento: 06/12/2004, T5 - QUINTA TURMA, Data de Publicação: DJ 09.02.2005 p. 208)
    Outrossim, cabe ressaltar que foi nomeado defensor para as audiência realizadas na Comarca de Palmas, afastando, assim, possíveis irregularidades.
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    "PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. ART. 157, 2º, INCISOS I E II, E ART. 157, 2º, INCISOS I E II, C/C ART. 14, INCISO II, C/C ART. 71,CAPUT, TODOS DO CÓDIGO PENAL. NULIDADE. INTIMAÇAO PARA AUDIÊNCIA REALIZADA POR CARTA PRECATÓRIA. RÉU REPRESENTADO POR DEFENSOR AD HOC. AUSÊNCIA DE PREJUÍZO.
    SÚMULAS 155 E 523 DO STF. REGIME PRISIONAL.
    GRAVIDADE EM ABSTRATO DO DELITO.
    CIRCUNSTÂNCIAS JUDICIAIS TOTALMENTE FAVORÁVEIS" (STJ - HC 68335/SP - Quinta Turma - Rel.
    Min. Felix Fischer - j. 22/05/2007 - DJU 03/09/2007) - destaquei.
    Por oportuno, vez que se trata de nulidade relativa, ressalto ser imprescindível a demonstração de prejuízo para a parte, o que não ocorre no caso em tela, pois o que se tem é desídia no acompanhamento da Carta Precatória.
    Diante do exposto, inviável o acolhimento da preliminar, sendo de rigor seu afastamento.
    3. Do Mérito 3.1 Materialidade
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    A materialidade do crime restou suficientemente comprovada pelo Auto de Prisão em Flagrante, fl.09/11; Auto de Exibição e Apreensão, fl.39/40; Auto de Avaliação, fl. 41; Termo de Restituição, fl.42/43; Boletins de Ocorrência de fls.45/47 e 61; Laudo de Necrópsia de fl.65; Relatório de Serviço do Departamento da Polícia Civil do Estado do Paraná 5ª Subdivisão Policial de Pato Branco Setor de Perícia Criminal, fls.80/92.
    3.2 Autoria do Crime de Latrocínio
    O policial civil ALCIR GHIDINI, o policial militar AGNALDO CÉSAR PEREIRA, o policial militar JOAO LUIZ DE CASTRO ROSA, na fase indiciária declararam que no dia 29 de Setembro de 2008 (sábado) foram informados da ocorrência de um crime, onde havia um corpo carbonizado próximo a um caminhão.
    O policial ALCIR GHIDINI (inquérito, fls.12/13) informou que foi até o local, juntamente com o policial militar CASTRO, constatando a existência de um caminhão queimado, perto da Rodovia 281 (Canhada Funda), sendo que próximo ao veículo encontraram um corpo carbonizado.
    Verificou-se que o veículo transportava uma carga de panelas de pressão marca Panelux, fabricada em Palmas PR. Em contato com a referida empresa tomaram ciência de que um caminhão havia carregado em Palmas e saído por volta das 19h, sendo conduzido pelo motorista Jairo Andrade Pimentel, com destino a Uberlândia MG. Durante as diligências que realizou recebeu a informação de que na localidade do Covó foram avistados
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    dois caminhões fazendo manobras, constantando no local que havia um palanque caido em razão da manobra de um dos veículos. Um dos caminhões, segundo denúncias anônimas, tinha a placas ABC 9617, diante do que os investigadores chegaram as pessoas de RODRIGO e GILBERTO que possuia manchas de queimaduras recentes no rosto e braços, "os quais acabaram confessando o crime contra ao motorista Jairo" [sic] [...] Por ocasião da prisão RODRIGO disse que parte da carga Roubada estava escondida em Clevelândia PR e a outra parte em uma casa desabitada, localizada na propriedade do Sr. Alfredo.
    No mesmo sentido foram as declarações do policial militar JOAO LUIZ DE CASTRO ROSA (inquérito, fls.16/17) o qual disse que na distribuidora ZUL foram localizadas 2.257 panelas de pressão marca Panelux e segundo o proprietário foram compradas sem nota fiscal, de GILBERTO, pelo valor de R$ 9.00 (nove reais). Sendo que em JUÍZO, durante a adiência, o policial confirmou as declarações prestadas na fase indiciária, dizendo que GILBERTO teria contado sobre outros envolvidos no crime (Claudemir, Cleonei, Jerry), e que na residência de Cleonei encontraram um revólver calibre 38, com quatro cartuchos intactos. Informou que GILBERTO teria indicado que parte da carga de panelas estava na distribuidora ZUL, não sabendo o depoente indicar se RODRIGO também tinha feito referência a localização das panelas, pois quem esteve em contato com RODRIGO foi o tentente AGUINALDO e o investigador GHIDINI. Disse que ZULNIR indicou que teria comprado as panelas de GILBERTO. As panelas estavam estocadas com os demais objetos da loja, não estavam escondidas, sendo que
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    ZULNIR ficou nervoso durante a presença dos policiais, dizendo que teria comprado as panelas, pois já conhecia GILBERTO que fazia entregas em sua loja, pagando R$ 9.00 (nove reais) cada, sem nota fiscal. Afirmou que não acompanhou o depoimento de RODRIGO. Esclareceu que GILBERTO indicou a distribuidora como o local onde estariam as panelas, porém o declarante não tem conhecimento se GILBERTO tinha previamente negociado a carga ou que estava sendo aguardada; que nenhum dos réus mencionou que ZULNIR tinha conhecimento da prática do Roubo ou que a carga estava sendo aguardada; nenhum dos réus mencionou que ZULNIR sabia que o roubo seria praticado com antecedência, nem que soubesse que se tratava de carga Roubada. Que foram na distribuidora três dias após o crime.
    (CD-ROM, fl.364)
    O policial militar AGNALDO CÉSAR PEREIRA (inquérito fls.14/15), ouvido em Juízo (CD-ROM, fl.404) confirmou as declarações prestadas na Delegacia, dizendo que após receberem as informações sobre o crime através do cabo CASTRO, posteriormente, recebeu a informação sobre um veículo suspeito e que em diligências para localizar o veículo (placa ABC 9617), chegando até a empresa Bauer Cargas, onde abordaram primeiramente o cunhado de GILBERTO (proprietário da franquia da Bauer), solicitando que chamasse o veículo. Então, o veículo foi chamado ocasião que estava na posse do sogro de GILBERTO (que dirigia o caminhão) e de RODRIGO (Rubão) que chegaram ao local, sendo revistados pelos policiais. Na sequência chegou ao local GILBERTO que estava vestido de camisa de manga comprida, em um dia relativamente quente, com boné na cabeça,
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    percebendo que ele havia passado creme no rosto que escurece a pelé. Diante disso suspeitaram, sem, no entanto, indagar sobre o caminhão queimado. Que GILBERTO estava nervoso, e disse ao depoente que teria ido até o local para trazer um Fusca que tinha estragado na estrada, então foi com o caminhão furgão para trazer este Fusca, recebendo R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais). Quando tocaram no assunto das queimaduras, GILBERTO chorou, desabafando que realmente esteve no local do crime, afirmando que foi forçado a ir com o caminhão até o local, mediante o emprego de arma, por outras três pessoas aliciadas por Rubão (RODRIGO), dizendo que foi coagido a atear fogo no caminhão, momento em que teria se queimado. Na sequência, conduzido até o pelotão da Polícia, GILBERTO teria citado mais três pessoas, sendo realizadas diligências nas residências dessas pessoas, onde encontraram uma arma. [...] Disse que não foi até o sítio na Restinga local em que estava parte das mercadorias subtraídas. Relatou que participou também da abordagem de ZULNIR, em seu estabelecimento, quando constataram que havia panelas oriundas do Roubo e que ZULNIR teria informado que comprou as panelas no valor de R$ 9,00 (nove) reais, sendo que o valor normal seria em torno de R$ 16,00 a R$ 17,00 reais, o declarante questinou Zulnir se este não suspeitou da origem das panelas por terem sido fornecidas sem nota e por valor abaixo do de mercado, porém ZULNIR estava nervoso acabou não afirmando nada em relação a isso.
    "Posterioremente a gente tomou conhecimento, até por policiais civis e tal que o próprio GILBERTO haviam apontado essa pessoa como já estaria sabendo desse Roubo antecipadamente, já estaria aguardando essas panelas lá". O RODRIGO é o Rubão, é a mesma pessoa. RODRIGO foi o primeiro a
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    ser abordado, ele estava "conduzindo, de caroneiro do caminhão que teve participação no crime, naquela segunda-feira à tarde", isso enquanto o caminhão estava em uso (assim esclareceu). Na sequência falaram com GILBERTO e depois com ZULNIR de Clevelândia PR. No depósito de ZULNIR foram encontradas 2.257 panelas, existiam outros produtos no local.
    Disse que RODRIGO não tinha carteira de motorista, então trabalhava mais como ajudante. Informou que o dono do sítio disse que GILBERTO chegou lá solicitando um local para deixar a carga, pois estava com o depósito cheio, não tendo onde deixar a carga. Que GILBERTO lhe pareceu "uma pessoa com algum desvio mental, porque no mesmo instante em que relatava fatos da participação no local do crime, não se compadecia da situação da vítima, [...] citava com frieza, se apegava a outros detalhes que não os mais importantes, de alguém que não estivesse com a intenção de estar junto do fato, da forma como expunha os fatos no dia, pareceu uma pessoa desprovida de algo afetivo, não se compadeceu nenhum pouco da vítima [...] é isso que ele me pareceu na conversa que tive" , questionado pelo fato de ter citado que GILBERTO chorou, respondeu que percebeu que GILBERTO chorou em razão da família, quando estiveram na casa e ele teve que ser algemado, então fizeram uma busca na casa, ele tinha crianças, ele acabou se emociando por esse motivo. Quando reviveram a cena do crime em momento algum GILBERTO se compadeceu da vítima. Que pode perceber pelas características do caso que mais de uma pessoa ateou fogo no caminhão e na vítima. Disse que GILBERTO informou que sofreu as queimaduras após ter lançado os invólucros com combustível, onde existia fogo, momento que o invólucro incendiou e o acabou queimando. No dia questionaram como havia
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    combustível? Porém os réus não conseguiram explicar de forma plausível, dando a entender que o combustível já foi levado com a intenção de cometer o crime. Questionado sobre o conhecimento de prévio ajuste entre ZULNIR e os executores do fato? respondeu que "É doutor, essas informações eu obtive assim, em conversa com os policiais, isso na sequência, onde os prórpios apontados acabaram citando isso" que havia essa encomenda? Exatamente", até no dia que efetuamos lá a detenção dessa pessoa, e o conduzimos, ainda acreditávamos que ele não teria conhecimento do fato em si, que realmente negociava com esse GILBERTO há algum tempo. No meu entendimento acreditava que ele sabia que se tratava de algo irregular, até pelo baixo valor, não ter sido apresentado nota, e como o caso foi muito noticiado pela imprensa, até acredito que ele sabia mesmo antes da nossa chegada que aquelas panelas que estavam no depósito tinham relação com o fato, mas não que ele tivesse uma participação anterior, de cogitação de cometer o crime, isso não imaginava, até conversas posterioriores que tiveram com os policiais. Esclareceu que quem conhecia a vítima (o motorista) era GILBERTO e RODRIGO, os quais no dia do crime (sexta-feira), durante à tarde estiveram na empresa (Panelux), onde puderam extrair da vítima detalhes.
    Em mesmo sentido foi o depoimento prestado pelo policial militar MOACIR FERNANDO KOCH, (inquérito policial, fls.18-19).
    Em Juízo JULIANO GIL ROSA DE CASTILHO, testemunha, afirmou que GILBERTO era representante de uma
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    transportadora, fazendo coletas. Disse que GILBERTO e RODRIGO conheciam bem a empresa (Alcast), tendo acesso livre a todas as dependências da empresa, igual a um funcionário. No sábado pela manhã foram avisados pela Polícia sobre o crime, sendo que um funcionário da empresa foi até o local para fazer o reconhecimento da carga. Que o depoente foi responsável por registrar o Boletim de Ocorrência. Esclareceu que na sexta-feira o caminhão da vítima estava carregado e eles (GILBERTO e RODRIGO) também carregaram seu caminhão em uma doca ao lado. Disse que na segunda-feira, após os fatos, GILBERTO e RODRIGO não apareceram na empresa. Informou que as panelas de 4,5 litros tem o valor de R$ 14,90 e a de 7 litos tem o valor de R$ 21,90. Que foi um motorista da empresa que coletou as panelas do depósito de Clevelândia. Disse que ZULNIR é cliente da Alcast, mas comprava via representante da região, não comprava direto da empresa. Salvo engano é cliente da Alcast há três anos, sabendo que comprava um volume pequeno. Que na chacará conversou com Alfredo, o qual disse que na semana anterior GILBERTO esteve no local com o sogro, questionando se a casa do filho de Alfredo estaria vazia, bem como que GILBERTO foi lá questionando se poderia usar a casa, porque o depósito estava cheio, mas que retiraria as panelas em dois dias. No dia do carregamento das panelas GILBERTO estava na empresa, permanecendo praticamente toda à tarde no local (das 15 às 17 horas), enquanto os veículos eram carregados. Que o caminhão do GILBERTO carregou na doca ao lado do motorista (vítima), tendo presenciado GILBERTO conversar com a vítima. Inclusive, conversou com o motorista e com GILBERTO naquele dia.
    Não sabe dizer se GILBERTO sabia que a carga era segurada, mas que por
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    trabalhar para Alcast deveria saber que todas as cargas eram seguradas.
    RODRIGO também frequentava a empresa. GILBERTO era proprietario da Bauer e RODRIGO era funcionário dele, em geral GILBERTO dirigia e RODRIGO auxiliava no carregamento, às vezes dirigindo em companhia de outro ajudante. (CD-ROM, fl.404)
    O informante ALDER ANTONIO CAMBRUZI (compadre de ZULNIR) em Juízo disse que na segunda-feira esteve no estabelecimento de ZULNIR, ajudou a descarregar as panelas e conversou com ZULNIR. Disse que GILBERTO estava ajudando a descarregar. Além disso, o funcionário de ZULNIR ajudou na descarga. Relatou que ZULNIR disse estar esperando a Nota para enviar as panelas ao Mato Grosso. Que ZULNIR não trabalha no sábado porque é da Igreja adventista. Informou que GILBERTO estava" meio-tostado "," vermelhão ". (CD-ROM, fl.533)
    A informante ELIZETE DE OLIVEIRA (esposa de ZULNIR), disse que no dia da visita a ZULNIR, quando este estava preso em Pato Branco, chegou a esposa de GILBERTO, que pediu que a depoente falasse para ZULNIR ficar tranquilo que ele não tinha nada haver com o que aconteceu, pois GILBERTO havia falado isso no dia da prisão. A esposa de GILBERTO relatou que entre quinta e sexta-feira chegou um carro em sua casa e a ameçou, bem como as suas crianças, dizendo que se envolvesse mais algum nome ela e os filhos morreriam. Porém, depois disso a esposa de GILBERTO passou a dizer que quem a ameaçou foi ZULNIR. Que ZULNIR não trabalha na sexta-feira a noite e no sábado porque é adventista. Com
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    relação aos fatos narrados na denúncia soube apenas por" ouvir dizer ". (CD- ROM, fl.533)
    O informante JOAO MILTON RODRIGUES (funcionário de ZULNIR) disse que GILBERTO no sábado telefonou pela manhã e disse que tinha uma mercadoria de devolução de uma empresa e estava sem espaço em seu barracão, pedindo para deixar ali. Disse que tentou entrar em contato com o patrão (ZULNIR), mas não conseguiu e pelo fato de GILBERTO ser bem conhecido da empresa, sem causar problema, permitiu que GILBERTO deixasse o caminhão no pátio, mas sem decarregar a mercadoria. No domingo, no fim de tarde, GILBERTO ligou para o depoente perguntando se ZULNIR tinha outro telefone para entrar em contato, quando o depoente disse que não. Na segunda-feira GILBERTO veio a Clevelândia, perto das 8 horas da manhã, perguntando se ZULNIR tinha chegado, mas o depoente respondeu que não"mas, que podemos descarregar as panelas normal, entende. Ele logo chega, a gente vai especificar que temos espaço, e não há problema". Descarregaram o caminhão de panelas, mas" eles tinha chegado com outro caminhão "que estava na frente," a gente descarregou o caminhão de panela ", daí o ZUL chegou e perguntou o que o caminhão estava fazendo alí, eu expliquei, daí GILBERTO foi conversar com ZUL sobre as panelas.
    Que GILBERTO explicou que tinha recebido as panelas de devolução, não tinha espaço, entrou em contato com o depoente pedindo para deixá-las ali.
    GILBERTO disse que iria vender as panelas, perguntou se ZUL queria comprar. Começaram a tratar um preço, do qual não sabe o exato valor, pois continuou descarregando as panelas. Mas, tarde GILBERTO retornou, por
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    volta das 11 horas, mas não sabe o que conversaram e depois não viu mais ele. Que GILBERTO há 01 ano já trabalhava fazendo coletas para empresa (de uma a duas vezes na semana), sendo uma pessoa" confiável "dentro da empresa. Esclareceu que GILBERTO disse que na quarta-feira, se ZULNIR ficasse com as mercadorias, ele traria a nota fiscal. Disse que trabalham com nota e não sai mercadoria sem nota, porque senão não há como vender. A mercadoria foi descarregada em local que da vista para rua. Na terça-feira a policia apareceu no local, quando relataram que haviam adquirido de GILBERTO. (CD-ROM, fl.533)
    A testemunha LUIZ HENRIQUE DA SILVA em Juízo disse que por volta de 11 horas esteve no escritório do depósito de ZULNIR, os viu falando de Nota-Fiscal, sendo que ZULNIR pediu a nota fiscal. Não conhece a pessoa que conversava com ZULNIR. Quando ouviu essa conversa estava na sala do mostruário. Não presenciou o descarregamento. No dia viu que havia um caminhão da Bauer no local. (CD-ROM, fl.533)
    A testemunha WILMAR FERNANDES DUGLAS disse que no sábado de manhã RODRIGO chegou perguntando de ZUL, quando o depoente respondeu que ZUL não trabalha no sábado porque é adventista.
    Que viu RODRIGO fazer uma ligação e falar com uma mulher, então RODRIGO perguntou onde morava o secretário do ZUL e a hora que ele passava para ir para igreja, então RODRIGO saiu. Que conhece GILBERTO porque sempre o via durante a semana, nas coletas. Na segunda-feira quem foi até o local foi GILBERTO, que apenas viu que estavam descarregando o
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    caminhão (caixas de panelas). Não sabe se ZULNIR comprou panelas, nem acompanhou conversas. (CD-ROM, fl.533)
    A testemunha Tiago Lombardi em Juízo prestou declarações meramente abonatórias em relação a Gilberto, pois não presenciou os fatos.
    (CD-ROM, fl.550)
    A testemunha Waldefio Francisco Alves declarou que não presenciou os fatos, tomando conhecimento do ocorrido através de João.
    (CD-ROM, fl.551)
    As testemunhas Rubens Tadeu Corra e Marli Dombroski Correa não presenciaram os fatos. Por sua vez, testemunha Ilma de Souza Bueno esposa de RODRIGO, em Juízo, disse que por volta das 2 horas da manhã a esposa de GILBERTO chamou (pessoalmente) RODRIGO para buscar GILBERTO em Mangueirinha, inclusive RODRIGO convidou a depoente para ir junto. Não era normal a esposa de GILBERTO vir chamar altas horas da noite. Esclareceu que RODRIGO trabalhou com GILBERTO por duas vezes. (CD-ROM, fl.576)
    As testemunhas José Jonate Oliveira Machado e Márcia Cristina de Almeida Machado não presenciaram os fatos (CD-ROM, fl.585).
    A informante MIRIAN DA SILVA SCHOSSLER, esposa do réu GILBERTO, disse que soube dos fatos após o ocorrido. Que GILBERTO
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    chegou em casa queimado, mas não contou o que tinha ocorrido, apenas disse que a declarante ficaria sabendo. Na sexta-feira (dia do crime) ela ouviu uma conversa em que RODRIGO falava para GILBERTO que boca cheia de formiga não falava, quando se aproximou, pararam de falar. No dia (sexta- feira) RODRIGO e GILBERTO sairam juntos para coletar palanques. Que ligou para GILBERTO várias vezes, o qual apenas atendeu uma ligação por volta das 23 horas e notou que GILBERTO estava nervoso. Esclareceu que GILBERTO retornou para casa por volta das 4 horas da manhã. Que ZULNIR não ligou no estabelecimento comercial da declarante na sexta- feira, mas que GILBERTO ligou para ZULNIR. Que antes de ser preso GILBERTO disse a declarante," se alguém perguntar para você se você conhece ZUL, você não conhece "," não toca no nome de Zul, você não sabe de Zul "," pega as crianças, saia hoje da cidade ", e realmente a depoente não conhece ZUL pessoalmente. Informou que se mudou de cidade para sua segurança e dos filhos. Não conhecia o Jairo. Disse que depois de um mês GILBERTO lhe contou o que aconteceu, dizendo que estavam indo para coleta, chegando no Trevo, deixou a camionete deles no Posto Tia Joana.
    Pegaram carona com o motorista, que até então não sabia onde eles (GILBERTO e RODRIGO) estavam indo. Que a certa altura o motorista disse que iria dormir em Pato Branco, e eles se olharam (GILBERTO e RODRIGO), e RODRIGO disse que queria que parasse o caminhão para urinar. RODRIGO desceu e depois o motorista, então GILBERTO teria ouvido o tiro. Que GILBERTO foi ameaçado por RODRIGO. Relatou que conhece RODRIGO há um ano, sendo que RODRIGO na empresa não era muito obediente. Que GILBERTO chamava atenção de RODRIGO quando
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    acontecia algo que não era para acontecer. Que dentro da empresa nunca viu RODRIGO armado, apenas fora da empresa ouviu outros motoristas falarem que o viram armado. Relatou que os celulares da empresa não eram utilizados pelos empregados. Que RODRIGO morava perto de sua casa e não costumava receber ligações dele. (CD-ROM, fl.364).
    A testemunha Alfredo Camargo em Juízo declarou que GILBERTO chegou em sua casa por volta das 19h, dirigindo o caminhão, perguntado se o depoente tinha um lugar para deixar umas panelas, pois era uma carga sem nota e tinha que"dar um jeito na carga". Então cedeu o espaço da casa de um filho e parte de sua casa. GILBERTO falou que em dois dias retiraria a mercadoria. Que GILBERTO e NEGAO foram juntos a sua casa. Soube dos fatos quando a polícia esteve em sua casa. Não lembra exatamete como era o veículo, mas lembra que era grande. Que apenas GILBERTO e RODRIGO fizeram a descarga, mas a carga não foi toda descarregada e que aparentavam estar tranquilos. Esclareceu que eles voltaram para a casa do depoente e retiraram uma parte das mercadorias. - (CD-ROM, fl.441).
    Em JUÍZO o réu GILBERTO SCHOSSLER disse que a maioria dos fatos descritos nas denúncias são verdadeiros. Que tinha contato com ZULNIR, pois tinham negócios de transporte, representava a transportadora Suldoeste e Bauer Cargas. O contato com ZULNIR era quase que diário, sempre a respeito de trabalho (transporte de mercadorias), de fluxo de mercadorias. Perguntado se ZULNIR tinha conhecimento da carga
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    de mercadorias levadas por Jairo (vítima), respondeu que quanto a essa carga de panelas aconteceu tudo na sexta-feira, eu não sabia de nada, eu fiquei sabendo na hora que RODRIGO chegou na agência, por volta das 16 horas, já tinha encerrado o movimento e RODRIGO solitcitou que fosse com ele nas coletas, pois precisavam conversar. Disse que não tinha costume de sair para as coletas, porque tinha um movimento bom (na empresa), e sua presença na empresa tinha que ser permanente. Então, quando RODRIGO chegou na agência, terminaram o serviço e sairam para a coleta de palanque, quando ia aproveitar para falar com RODRIGO. Que no caminho RODRIGO disse que tinha passado na firma de ZULNIR que tinha acertado uma encomenda que era a carga de panelas. RODRIGO tinha dito que tinha passado na Alcast e já tinha conferido que havia essa carga para passar para ZULNIR, à noite. Que não conversou sobre a carga de panelas com ZULNIR por celular.
    Esclareceu que saiu com RODRIGO para coleta de palanque, quando RODRIGO avisou que tinha a carga de panelas acertada com ZULNIR, que tinha que fazer e não havia outra pessoa, oferecendo ao depoente certa quantia de dinheiro, momento em que o depoente disse que não poderia fazer, pois tinha a empresa, fazendo pouco tempo que estava no local, trabalhando corretamente, mas em razão da dificuldade financeira acabou aceitando.
    Disse que RODRIGO falou que era somente para ele (GILBERTO) levar o caminhão para Clevelândia, voltar e abandonar o caminhão. Perguntado pela magistrada se conversou com Jairo na sexta-feira, respondeu: - quando nós fomos atá a Alcast à tarde para ver se o caminhão estava lá, foi porque necessitava recolher uma Nota Fiscal da Alcast referente a mercadoria que estava parada e precisava ser enviada. Afirmou que naquela sexta-feira não
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    teve coleta e entrega alguma na Alcast. Relatou que foi até o escritório da Alcast e esperou a Nota Fiscal que não saiu naquele dia. Então, foi até o departamento de cargas, conversou com" todo mundo "," conversei com esse Jairo ", mas tudo junto com meninos que trabalham na Alcast, nada particular.
    Indagado pela magistrada o quê teria conversando com Jairo, respondeu: perguntei para ele (JAIRO) de onde ele era?, se estava gostando de fazer as viagens por ali, o que estava carregando na Alcast?. Mas, não conversou nada de especulação para onde Jairo iria, que horas saia. Quando sairam da Alcast, voltaram para o barracão, quando informou a sua esposa que a Nota Fiscal não tinha ficado pronta, e o que estava ali podia ser depachado no horário das 18h30min. Naquele momento ele e RODRIGO falaram para Mirian (esposa de GILBERTO) que iriam fazer a coleta de palanque. Mas, não foram fazer a coleta de palanque, foram até o trevo do tia Joana esperar o caminhão que o RODRIGO havia dito ter acertado com o motorista essa carga, que o motorista sabia que ele e RODRIGO o esperavam no trevo e que ZULNIR também sabia. Que Rodrigo ficou a todo o momento no trevo. Sendo que sua camionete ficou estacionada no Posto (trevo do Tia Joana). Então disse,"aí nós fomos"e perto de Clevelândia, RODRIGO supostamente falou para o motorista que precisava que ele parasse o veículo para uriniar, sendo que o motorista parou. Voltando na história, a pedido da magistrada, esclareceu que abordaram o caminhão no trevo do tia Joana, dizendo que o motorista parou de livre e espontânea vontade, tendo Jairo reconhecido RODRIGO que estava no meio da faixa. Disse que então, embarcou primeiro e após subiu o RODRIGO. Declarou"que hipóstese alguma, pra mim, o RODRIGO falou que o Jairo tava sabendo de tudo. Né! Que tinham acertado, com Jairo tudo.
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    Essa carga que o motorista sabia."Que para subir no caminhão, disseram que ia até Clevelândia fazer o socorro de um caminhão que estava estragado.
    Então, no caminho RODRIGO pediu para pararem para que pudesse urinar.
    RODRIGO desceu do caminhão, fez sua" necessidade "e então falou para o motorista que o caminhão estava com vazamento de ar nos bujões de ar. O motorista desceu do caminhão, e o depoente permaneceu dentro do veículo.
    Afirmou que RODRIGO o convidou apenas para trazer o caminhão e que não sabia que iria acontecer um assalto, nada. Que RODRIGO apenas disse que era para ir junto, que ira lhe dar certa quantia de dinheiro para que ajudasse a baldear a carga e voltar. E na volta iria carregar os palanques que eram dentro da cidade de Palmas. Aí então, quando o motorista desembarcou e foi verificar o que estava acontecendo, GILBERTO escutou os disparos de arma de fogo. Então, saiu do caminhão e viu" a pessoa do Jairo tombada no chão ", disse que tentou sair correndo para frente do caminhão, quando ouviu mais um disparo de arma de fogo, tendo RODRIGO dito:"Gilberto, você que sabe, se quise tenta corre, quise i até o final, ou que fica aqui também estendido no chão, porque nós temo ordem, que essa carga tem que chegar, né! Que foi mencionado pelo nome do senhor Zunir e que não podia haver erro no trajeto, teria que se completado aonde um caminhão taria nos aguardando, em Clevelândia, para fazermos a badiação da carga". Que RODRIGO obrigou o depoente a colocarem o motorista no caminhão e foram até Clevelândia, não tinha caminhão nenhum à espera. Que RODRIGO tentava fazer contato com ZULNIR e" só dava celular desligado ", por volta das 20 h e 20: 30 min. Na sequência como ninguém chegou, retornaram com a carga. Daí RODRIGO falou que teriam que encontrar um local para deixar
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    a carga, pois no outro dia seria levada a ZULNIR. No caminho, voltando para Palmas, não sabiam o que iriam fazer. Surgiu então a residência do Sr.
    Alfredo que tem uma casa que é vazia. Que Alfredo é amigo do depoente.
    Foram até a residência do Sr. Alfredo, então RODRIGO desceu e conversou com seu Alfredo que cedeu a casa para deixarem a mercadoria. Disse que estacionou o caminhão, ele, RODRIGO e Sr. Alfredo descarregaram o caminhão, mas Sr. Alfredo não sabia que a carga era roubada. Que RODRIGO disse para ALFREDO que era uma sobra de carga, que no outro dia seria retirada. Enquanto isso o corpo de JAIRO estava dentro do caminhão. Depois, retornaram a Palmas, quando RODRIGO desceu e ordenou que o depoente fosse sentido Mangueirinha e em hipótese alguma tente desistir, porque a sua família está sendo viagiada e nós temos que fazer o serviço completo, até o fim. Que RODRIGO disse que ia segui-lo, então pegou a camionete do depoente que estava estacionada no Posto. Quando chegaram no 2º trevo, próximo a COCAMP, percebeu que RODRIGO desceu sentido a cidade, foi até o Posto, disse que abasteceu a camionete, pegou dois tambores com gasolina e dois lanches para eles. Disse que foi devagar com o caminhão, porque não sabia mais o que fazer, já estava próximo de meia- noite, quando RODRIGO ultrapassou o depoente, próximo a entrada da Sadia, RODRIGO parou o veículo e disse a GILBERTO que iriam baldear parte da carga. Que RODRIGO não tinha falado ao depoente que tinha gasolina na camionete. Relatou que após a descarga, continuaram sentido Mangueirinha, após passarem a localidade Covó, à esquerda RODRIGO entrou na primeira entrada, a fim de abandonar o veículo e voltarem para casa, mas RODRIGO se deparou com uma Fazenda com um portão e uma
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    casa, então RODRIGO virou a volta com a camionete e pediu para Gilberto fazer o mesmo, e por não existir espaço adequado para a manobra, o depoente deu a ré no veículo, derrubando uma cerca. Voltaram sentido Mangueirinha, e próximo ao Trevo, foi ultrapassado por um veículo que os seguiu e adiante parou. Seguiram viagem, só parando onde abandonaram o caminhão. RODRIGO ordenou que GILBERTO encostasse o caminhão mais na frente, sendo que RODRIGO estava com a gasolina. Esclareceu que ajudou RODRIGO a tirar o motorista (JAIRO) do caminhão, colocando-o a uns 10 metros do caminhão. RODRIGO pegou o combustível e jogou na vítima. O depoente disse que perguntou a RODRIGO: - o que você vai fazer?, respondendo RODRIGO: - Eu não vou fazer nada, quem vai fazer é você. Você vai" taca fogo nele! ". Então disse:"Pelo amor de Deus, Rodrigo, não faz isso, eu era motorista. Eu trabalhava com o caminhão". Que RODRIGO o calçou com o revólver e obrigou a incendiar, que o fogo explodiu em direção a seu corpo. Disse que RODRIGO ateou fogo no caminhão. Informou que ele e RODRIGO foram embora, sendo que RODRIGO foi dirigindo a camionete de propriedade do depoente. Quando chegou em casa era quase 5 horas da manhã. Disse que é mentira do RODRIGO que a esposa do depoente tenha ido até a casa de RODRIGO por volta das 2 horas da madrugada. Declarou que sua esposa ligou no celular de RODRIGO, enquanto estavam descarregando as panelas na residência de Alfredo, quando RODRIGO disse a esposa do requerente que estavam no local fazendo uma" janta ". RODRIGO passou o telefone ao depoente que falou para esposa que logo iria voltar. Esclareceu que RODRIGO trabalhou por dois períodos com o declarante. Sendo que certa vez RODRIGO
    TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADO DO PARANÁ
    " roubou...














































































































































































    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.