jusbrasil.com.br
19 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Embargos de Declaração: ED 0044865-97.2018.8.16.0021 Cascavel 0044865-97.2018.8.16.0021 (Acórdão)

Tribunal de Justiça do Paraná
ano passado
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
14ª Câmara Cível
Publicação
04/05/2021
Julgamento
3 de Maio de 2021
Relator
Octavio Campos Fischer
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-PR_ED_00448659720188160021_f4fd2.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO – ACÓRDÃO QUE DEU PARCIAL PROVIMENTO AO RECURSO DA PARTE EMBARGANTE E DEU PARCIAL PROVIMENTO AO RECURSO DA PARTE EMBARGADA.

1. Inexistência de vícios do art. 1.022 do CPC/15 – Acórdão prolatado por esta Colenda Câmara Cível que não apresenta omissão– Impossibilidade – Mero inconformismo com a decisão adotada.
2. Prequestionamento – Desnecessário – Acórdão que contém fundamentos relevantes e necessários para a solução jurídica encontrada.EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REJEITADOS. (TJPR - 14ª C.Cível - 0044865-97.2018.8.16.0021 - Cascavel - Rel.: DESEMBARGADOR OCTAVIO CAMPOS FISCHER - J. 03.05.2021)

Acórdão

I.RELATÓRIO Trata-se de Embargos de Declaração opostos por AQUISIVEL VEICULOS LTDA em face do acórdão, proferido no Recurso de Apelação Cível nº 0044865-97.2018.8.16.0021 (mov. 56.1 – autos de apelo), desta Décima Quarta Câmara Cível, que restou assim ementado: APELAÇÕES CÍVEIS – AÇÃO DE RESCISÃO CONTRATUAL C/C INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS – SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA.APELO (1) – RECURSO DA COOPERATIVA1. Impossibilidade de rescisão do contrato de financiamento – Ato jurídico perfeito – Tese afastada – Contrato de financiamento firmado com o único intuito de concretizar o contrato de compra e venda do veículo – Interdependência entre as duas contratações, formando contratos coligados – Desfazimento do contrato que compra e venda que leva a rescisão do contrato de financiamento – Jurisprudência deste E. TJPR.2. Culpa concorrente da autora – Não acolhimento – Vícios ocultos que somente foram conhecidos pela parte autora após a realização de perícia no veículo – Parte ré que não apresenta provas da existência de culpa concorrente da autora.3. Distribuição proporcional do ônus sucumbencial – Procedência – Observância do disposto no art. 87 do CPC.APELO (2) – RECURSO DA AUTORA1. Possibilidade de condenação solidária das rés – Parcial – Condenação solidária da instituição financeira somente no limite da sua participação, ou seja, somente no que aborda o contrato de financiamento.2. Do quantum indenizatório – Majoração devida diante das peculiaridades do caso.3. Reforma da r. sentença – Redistribuição do ônus sucumbencial.RECURSO DE APELAÇÃO (1) PARCIALMENTE PROVIDO.RECURSO DE APELAÇÃO (2) PARCIALMENTE PROVIDO. Insatisfeito, o embargante, sustenta, em síntese, que há omissão na decisão proferida, bem como é necessário o prequestionamento da questão federal ou constitucional para interposição de recursos perante as Cortes Superiores.Indica que para que a matéria seja decidida é manifestamente necessária a expressa menção ao artigo de lei, o que não ocorreu no v. acórdão embargado. Sustenta que os presentes embargos procuram aclarar a decisão colegiada proferida, destacando que possui como objetivo prequestionar a matéria afeita à legislação federal.Aponta que o recurso não possui caráter protelatório, de modo que não cabe a aplicação da multa prevista no art. 1.026, § 2º, do CPC.Discorre, portanto, que não houve manifestação expressa sobre a pretensão indenizatória, afinal, não é devido o dano moral, uma vez que não agiu de maneira dolosa em face dos embargantes.Alega a que a decisão proferida está em descompasso com o disposto no art. 944 do Código Civil, sobrepujando os princípios da proporcionalidade e da razoabilidade para aplicação de indenização por dano moral.Requer que sejam sanadas as omissões apontadas, bem como sejam prequestionadas as regras indicadas.Após, vieram-me conclusos os autos para julgamento. É, em síntese, o relatório. II. FUNDAMENTO Os presentes Embargos de Declaração foram apresentados tempestivamente, merecendo ser conhecidos.Porém, não estão presentes as hipóteses de seu cabimento, nos termos do art. 1022 do CPC/2015: Art. 1.022. Cabem embargos de declaração contra qualquer decisão judicial para:I - esclarecer obscuridade ou eliminar contradição;II - suprir omissão de ponto ou questão sobre o qual devia se pronunciar o juiz de ofício ou a requerimento;III - corrigir erro material.Parágrafo único. Considera-se omissa a decisão que:I - deixe de se manifestar sobre tese firmada em julgamento de casos repetitivos ou em incidente de assunção de competência aplicável ao caso sob julgamento;II - incorra em qualquer das condutas descritas no art. 489, § 1o. Nesses termos, os embargos declaratórios são oponíveis apenas quando a decisão se apresenta obscura, contraditória, omissa ou contenha erro material, o que não é o caso. No caso em apreço, em que pese o embargante alegue a existência de omissão no v. acórdão proferido, não é possível acolher as alegações apresentadas. Isto porque, as teses envolvendo a responsabilidade solidária da cooperativa e o quantum indenizatório aplicável foram tratadas de maneira extensa pelo acórdão prolatado, indicando não apenas o entendimento jurisprudencial sobre os temas, bem como doutrinas que reforçam o julgamento realizado.Tanto é que no que tange a responsabilidade solidária da cooperativa, restou cristalino que essa responsabilidade é limitada pela sua participação na cadeia de fornecedores, sendo afastado qualquer dever relativo a necessidade de arcar com devoluções a título de dano moral ou dos valores pagos diretamente à revendedora. Neste sentido, destaco: Por fim, sobre o tema, importante destacar que, uma vez que a Cooperativa é inserida dentro da cadeia de fornecedores, ela somente pode responder solidariamente dentro do limite de sua participação, ou seja, dentro dos limites do contrato de financiamento, cabendo a exclusão da Cooperativa da condenação de devolução dos valores pagos diretamente à Revendedora, bem como dos valores envolvendo o dano moral. Ademais, no que tange ao valor atribuído a título de quantum indenizatório importante destacar que a questão fática apresentada nos autos demonstrou que o valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) se mostra condizente com os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, além de atender o caráter repressivo e pedagógico da reparação. Desse modo, não há qualquer omissão, conforme apontado pelo embargante. Vejamos: No caso em questão a falha na prestação de serviços, além de causar sofrimento à Autora, ainda causou constrangimento, uma vez que após a descoberta de possível furto/roubo encaminhou-se ao órgão competente para registra seu Boletim de Ocorrência e teve o veículo apreendido.Ademais, diante de todo o percalço, a Autora também foi inscrita nos órgãos de proteção ao crédito, bem como foi executada, pelo inadimplemento de contrato de financiamento de veículo que, após perícia, possuía indicações de furto/roubo.Diante de tais circunstâncias, entendo que o valor a título de indenização merece ser majorado em R$ 15.000,00 (quinze mil reais), o que atende o caráter repressivo e pedagógico da reparação por danos morais, mostrando-se razoável e proporcional ao dano sofrido, não possuindo força para causar enriquecimento ilícito da parte recorrente nem mesmo para onerar demasiadamente a Apelada. Logo, as discussões apresentadas no mérito do recurso foram devidamente abarcadas no acórdão proferido por este e. Tribunal de Justiça.Diante de tais considerações, inegável o reconhecimento de que as alegações do embargante se tratam, data vênia, de mero inconformismo com a decisão recorrida e a intenção de sua reforma pela via inapropriada. Segundo o STJ, “A mera insatisfação com o conteúdo da decisão embargada não enseja Embargos de Declaração” ( AgRg no AREsp 567727/RJ, Rel. Min. Herman Benjamin, DJe 09/12/2014). No mesmo sentido: PROCESSO CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO. OMISSÃO E CONTRADIÇÃO. PREQUESTIONAMENTO. INEXISTÊNCIA. MERO INCONFORMISMO DA PARTE. REJEIÇÃO. 1. Os embargos de declaração não se prestam para a mera insurgência da parte com relação à decisão impugnada, não sendo possível buscar-se a simples reforma da decisão por esta via com inovação argumentativa. 2. Os embargos de declaração não se prestam ao rejulgamento da matéria posta nos autos, tampouco ao mero pré-questionamento de dispositivos constitucionais para a viabilização de eventual recurso extraordinário. 3. Embargos de declaração rejeitados. (TJPR - 17ª C.Cível - EDC 0526703-6/01 - Foro Central da Região Metropolitana de Curitiba - Rel.: Juiz Subst. 2º G. Francisco Jorge - Unanime - J. 21.01.2009) Desse modo, ausente qualquer das hipóteses de cabimento elencadas no artigo 1022 do Código de Processo Civil/2015, a rejeição dos presentes embargos de declaração é medida que se impõe, não prosperando tal sucedâneo recursal nem mesmo para fins de prequestionamento. A propósito, já há entendimento consolidado no Superior Tribunal de Justiça no sentido de que: Esta c. Corte já tem entendimento pacífico de que os embargos declaratórios, mesmo para fins de prequestionamento, só serão admissíveis se a decisão embargada ostentar algum dos vícios que ensejariam o seu manejo (omissão, obscuridade ou contradição)." Edcl no AgRg nos EDcl nos EREsp 1003429/DF, Relator Ministro Felix Fischer, Corte Especial, julgado em 20.6.2012, DJe de 17.8.2012.3. Não havendo omissão, obscuridade, contradição ou erro material, merecem ser rejeitados os embargos declaratórios interpostos com o propósito infringente.4. Embargos de declaração rejeitados. ( EDcl nos EDcl no AgRg no AREsp 445.431/SP, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, SEGUNDA TURMA, julgado em 21/08/2014, DJe 26/08/2014) Desta forma, em virtude da fundamentação supra, voto no sentido de rejeitar os embargos declaratórios nos presentes tópicos, diante da ausência de qualquer omissão, obscuridade, contradição ou erro material.
Disponível em: https://tj-pr.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1249978816/embargos-de-declaracao-ed-448659720188160021-cascavel-0044865-9720188160021-acordao

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 635753 TO 2020/0344764-9

Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região
Jurisprudênciahá 6 meses

Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região TRT-7 - Recurso Ordinário - Rito Sumaríssimo: RORSum 0000859-53.2020.5.07.0015 CE

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Agravo: AGV 70053045175 RS