jusbrasil.com.br
14 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Paraná
ano passado

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

3ª Turma Recursal

Publicação

Julgamento

Relator

Fernando Swain Ganem

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-PR_RI_00017487920198160099_84683.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ
3ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS

Autos nº. XXXXX-79.2019.8.16.0099

Recurso Inominado Cível nº XXXXX-79.2019.8.16.0099
Juizado Especial Cível de Jaguapitã
Recorrente (s): MARIANE MOREIRA DA GRAÇA
Recorrido (s): MARIA ELIZANGELA DA SILVA CAPARROZ - ME
Relator: Fernando Swain Ganem

RECURSO INOMINADO. MATÉRIA RESIDUAL. NOTA PROMISSÓRIA.
AÇÃO DE COBRANÇA. ILEGITIMIDADE PASSIVA APENAS QUANTO A
PARTE DO PEDIDO. ILEGITIMIDADE PASSIVA RECONHECIDA COM
RELAÇÃO ÀS NOTAS PROMISSÓRIAS EM NOME DA MÃE DA RÉ.
DOCUMENTO ASSINADO PELA GENITORA. AUSÊNCIA DE PROVA DE
QUE RÉ ADQUIRIU OS PRODUTOS. LEGITIMIDADE PASSIVA NO
TOCANTE ÀS NOTAS PROMISSÓRIAS EM NOME DO EX-CÔNJUGE DA
RÉ. REQUERIDA AFIRMA QUE ASSINOU AS NOTAS PROMISSÓRIAS EM
NOME DE SEU EX-COMPANHEIRO. ANÁLISE DO MÉRITO. AUSÊNCIA
DE PROVA DO PAGAMENTO. CONDENAÇÃO QUE DEVE SE ATER ÀS
NOTAS PROMISSÓRIAS EM NOME DO EX-CÔNJUGE. DANO MATERIAL
MINORADO. PEDIDO CONTRAPOSTO. IMPROCEDENTE. AUSÊNCIA DE
ABALO MORAL. SENTENÇA PARCIALMENTE REFORMADA. RECURSO
CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO.
Maria Elizangela da Silva Caparroz – ME, ora parte autora, afirma que a ré é devedora da quantia
de 3.657,69, conforme notas promissórias colacionadas aos autos.
Sobreveio sentença que condenou a ré ao pagamento de R$ 3.657,69.
Tese recursal da ré argumenta, preliminarmente, sua ilegitimidade passiva, pois as notas
promissórias estão em nome de terceiro. No mérito afirma que a cobrança é indevida. Realiza,
ainda, pedido contraposto para condenação da autora ao pagamento de indenização por danos
morais.
É, em síntese, o relatório.
Passo ao voto.
Primeiramente, importante diferenciar a responsabilidade da parte ré no tocante às notas
promissórias colacionadas aos autos.
A parte autora colacionou notas promissórias em nome de Maria Moreira Capara (mãe da ré) e
Junior Rodrigo (ex-cônjuge da ré).
Com relação às notas promissórias em nome da mãe da ré entendo que resta caracterizada a
ilegitimidade passiva.
Explica-se.
Além das notas promissórias estarem em nome de Maria Moreira Capra, terceiro estranho a lide,
também foram assinadas por ela (mov. 1.6).
Em audiência de instrução a ré afirma que não é a responsável pelas notas promissórias que se
encontram em nome de sua mãe. Dessa forma, não há como presumir que a ré é devedora dos
valores constantes nas notas promissórias em nome de terceiro.
A testemunha (funcionária da loja) afirma que não se recorda porque as notas promissórias estão
em nome da mãe da autora. Em que pese tenha alegado que dificilmente a mãe da autora adquiria
produtos na loja, não afirmou que a senhora Maria Moreira Capra nunca realizou compras no
estabelecimento. Além disso, a testemunha também relatou que a senhora Maria comprova
produtos em favor da filha, contudo, os produtos poderiam se tratar de presentes. Não há como
presumir que a autora era a responsável pela aquisição dos produtos e dos pagamentos.
Incumbia à autora, portanto, produzir provas mínimas de que os produtos que deram origem as
notas promissórias em nome de Maria Moreira foram adquiridos diretamente pela ré, ônus do
qual não se desincumbiu.
Diante do exposto, reconheço a ilegitimidade passiva da ré com relação às notas promissórias que
estão em nome de sua genitora.
De outro vértice, com relação às notas promissórias em nome de Junior Rodrigo a parte ré possui
legitimidade passiva.
Restou incontroverso nos autos que a ré utilizava o crediário de seu ex-cônjuge, senhor Junior
Rodrigo, para adquirir produtos no estabelecimento da autora. Em depoimento pessoal a ré,
inclusive, afirma que era a responsável pela assinatura das notas promissórias.
A testemunha confirmou que: a) a ré se utilizava do crediário do seu ex-cônjuge para realizar
compras, inclusive assinava os documentos em nome dele; b) após a separação a ré compareceu
na loja e separou as notas promissórias que se tratavam de compras em favor de seu ex-cônjuge e
as notas promissórias que se tratavam de compras em seu favor; c) o ex-cônjuge da ré foi ao
estabelecimento e quitou as notas que eram referentes aos seus produtos; d) a ré deixou de pagar
as notas promissórias que eram de sua responsabilidade.
De mesmo modo foi o testemunho do ex-cônjuge da ré, o qual afirmou que ambos fizeram um
acordo e a ré separou as notas promissórias, sendo que foi até o estabelecimento e quitou as notas
promissórias das compras em seu favor, no total de R$ 800,00, sendo o restando do valor de
responsabilidade da ré.
Portanto, entendo que é dever da ré arcar com o pagamento das notas promissórias em nome do
senhor Junior Rodrigo, pois foi a responsável pelas compras e era a responsável pelo pagamento.
Com relação ao pedido contraposto não assiste razão a recorrente. De fato, a ré deu casa ao
ajuizamento da ação em razão do não pagamento das notas promissórias, portanto, não há que se
falar em indenização por danos morais.
Diante do exposto, reformo parcialmente a sentença para o fim de minorar o valor da indenização
por danos materiais para R$ 1.798,50 (mil, setecentos e nova e oito reais e cinquenta centavos),
conforme notas promissórias em nome de Junior Rodrigues e que são de responsabilidade da ré.
Valor que deverá ser com corrigido pelo índice IGP-M e juros de mora de 1% ao mês, ambos
desde o vencimento de cada obrigação.
Recurso conhecido e parcialmente provido. Deixo de condenar ao pagamento de honorários
advocatícios. Conforme previsão do art. 4º da lei estadual 18.413/2014, não haverá devolução das
custas recursais.
Dispositivo.
Ante o exposto, esta 3ª Turma Recursal dos Juizados Especiais resolve,
por unanimidade dos votos, em relação ao recurso de MARIANE MOREIRA DA GRAÇA, julgar pelo (a)
Com Resolução do Mérito - Provimento em Parte nos exatos termos do voto.
O julgamento foi presidido pelo (a) Juiz (a) Fernando Swain Ganem
(relator), com voto, e dele participaram os Juízes Denise Hammerschmidt e Adriana De Lourdes Simette.

09 de abril de 2021
Fernando Swain Ganem
Juiz (a) relator (a)
Disponível em: https://tj-pr.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1249559966/recurso-inominado-ri-17487920198160099-jaguapita-0001748-7920198160099-acordao/inteiro-teor-1249559980

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Recurso Inominado: RI XXXXX-79.2019.8.16.0099 Jaguapitã XXXXX-79.2019.8.16.0099 (Acórdão)

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível: AC XXXXX RS

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Recurso Inominado Cível: RI XXXXX-52.2016.8.26.0361 SP XXXXX-52.2016.8.26.0361

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC XXXXX-20.2019.8.26.0003 SP XXXXX-20.2019.8.26.0003

Isadora Araujo, Estudante de Direito
Modeloshá 2 anos

Contestação- Ação de Reparação de Danos Materias c/c Dano Moral