jusbrasil.com.br
6 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TJ-PR - Apelação Cível : AC 1541659 PR Apelação Cível - 0154165-9

    APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS- DISCRIMINAÇÃO CONTRA DEFICIENTE VISUAL-DANO MORAL DEVIDO - REDUÇÃO DO VALOR DA INDENIZAÇÃO- INOCORRÊNCIA DE SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA. APELAÇÃO PARCIALMENTE PROVIDA.

    Tribunal de Justiça do Paraná
    há 12 anos
    Processo
    AC 1541659 PR Apelação Cível - 0154165-9
    Orgão Julgador
    5ª Câmara Cível
    Publicação
    25/10/2004 DJ: 6732
    Julgamento
    5 de Outubro de 2004
    Relator
    Roberto De Vicente
    Andamento do Processo

    Ementa

    APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS- DISCRIMINAÇÃO CONTRA DEFICIENTE VISUAL-DANO MORAL DEVIDO - REDUÇÃO DO VALOR DA INDENIZAÇÃO- INOCORRÊNCIA DE SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA. APELAÇÃO PARCIALMENTE PROVIDA.

    RECURSO ADESIVO PREJUDICADO O dano moral resulta da ofensa causada ao autor na sua dignidade e auto-estima, gerando emoções negativas, angústia, perturbação na tranqüilidade e nos sentimentos. Fica configurado o dano indenizável na esfera civil, com a conseqüente obrigação de repará-lo, quando a vítima sofre dano decorrente da ação ou omissão ao menos culposa do agente. O banco, por se caracterizar como fornecedor de serviços é obrigado, através de seus prepostos, a sempre conferir tratamento digno e respeitoso aos seus clientes. Se o cliente, atingido no seu íntimo, sofre dano moral, em razão de tratamento discriminatório que lhe foi impingido por preposto do banco, responde este solidariamente pela reparação civil do mal causado (artigo 34 do Código de Defesa do Consumidor) Na fixação do valor da indenização, não se pode perder de vista que a reparação por danos morais tem como objetivo a fixação de um montante em dinheiro que servirá tanto de compensação à vítima pelos dissabores sofridos, quanto de punição ao causador do dano. Todavia, essa importância não pode nem ensejar o enriquecimento sem causa da vítima, nem ser insignificante a ponto de em nada influir sobre o ofensor e, conseqüentemente, não servir como desestímulo de novas práticas lesivas. "O montante pleiteado na petição inicial da ação de indenização por danos morais e materiais é meramente estimativo, sem observância de quaisquer parâmetros quantitativos para aferir a indenização decorrente dos danos causados, não servindo, pois, de base para conceber a reciprocidade dos ônus sucumbenciais"

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://tj-pr.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/5140542/apelacao-civel-ac-1541659-pr-apelacao-civel-0154165-9

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)